Categoria: Política

Busto que homenageia Simão Pedro está na Praça da Câmara, em Pouso Alegre. Imagem CMPA

Um busto em homenagem ao ex-prefeito de Pouso Alegre, Simão Pedro Toledo foi inaugurado pela Câmara Municipal, nesta sexta-feira (17/12). O monumento está na praça da Câmara, na avenida São Francisco, bairro Primavera.

A cerimônia aconteceu no Museu Tuany Toledo, com a presença de autoridades, da viúva de Simão, Eunice Riera Toledo e os filhos deles, Renato e Denise. O evento destacou a importância do político para o desenvolvimento de Pouso Alegre. A sede da Câmara foi inaugurada em 2009, quando recebeu o título de Palácio Simão Pedro Toledo.

O Museu de Pouso Alegre leva o nome do pai de Simão. O local tem um espaço dedicado ao ex-prefeito, com objetos histórico e pessoais. O acervo está em duas vitrines, onde estão expostos óculos, caneta, relógio, beca, terno completo e outros pertences. Um dos itens que mostra a importância dele na vida pública é a Medalha de Cidadão Honorário de Belo Horizonte, concedida no período em que Simão exerceu posto no quando Simão atuou como conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG).

Político com destaque no Brasil

Pousoalegrense e filho do ex-prefeito, Tuany Toledo, Simão Pedro Toledo nasceu em 1939 e morreu em 2009. Ele foi advogado, professor no Colégio Colégio São José e na Faculdade de Direito do Sul de Minas.

Ao seguir os passos do pai ele ingressou na política como vereador, se tornou presidente da Câmara, foi duas vezes prefeito de Pouso Alegre. A vida pública ainda teve dois mandatos como deputado estadual e o cargo de conselheiro do TCE-MG, em 1997. No Tribunal de Contas foi corregedor, vice-presidente e presidente. Nesse período criou o projeto Fiscalizando com o TCE, que recebeu prêmios, entre eles, do Ministério do Planejamento e Gestão.

Ele teve obras publicadas na carreira jurídica e ainda participou do Programa Planejamento e Desenvolvimento Urbano em Berlim e Dusseldorf, na Alemanha em 1988. Em 1993 ele participou XIX Programa Brasília-Miami de Política, Administração Pública, Educação e Saúde em Miami, nos EUA. O advogado, político e escritor teve integrou a Academia Tiberiana de Roma (Itália), Academia de Ciências Humanísticas y Relaciones da República Dominicana e Academia Pouso-alegrense de Letras.

 

Dionísio Ailton Pereira - vereador Pouso Alegre - Imagem: reprodução Câmara Municipal

Categoria: Política

Dionísio Ailton Pereira - vereador Pouso Alegre - Imagem: reprodução Câmara Municipal
Novo presidente da Câmara de Pouso Alegre. Imagem: reprodução Câmara Municipal

O presidente da Câmara Municipal de Pouso Alegre para o ano de 2022 é o vereador Reverendo Dionísio Ailton Pereira (DEM). Ele foi eleito nesta terça-feira (14), durante a última sessão ordinária do ano. A eleição teve chapa única.

Os demais membros da Mesa Diretora do próximo ano são vereador Odair Quincote (Patriota), como 1º vice-presidente; vereador Arlindo da Motta Paes (PTB), como primeiro secretário; vereador Miguel Junior Tomatinho (PSDB), como segundo secretário; e vereador Dionício do Pantano (PSDB), como 2º secretário.

Quem é o novo presidente da Câmara

Dionísio Ailton Pereira (Reverendo Dionísio), nasceu em 12 de março de 1969, na cidade de Cachoeira de Minas – MG. Possui Licenciatura em Filosofia pela PUC-MG, Bacharelado em teologia e Mestrado em Moral pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção de São Paulo/SP, e Doutorado em Teologia pela PUC-RJ.

Exerceu o ministério sacerdotal como padre na Igreja Católica Romana por 14 anos. Atualmente, exerce o mesmo ministério como Bispo da Igreja Anglicana, na Diocese Anglicana no Brasil.

Trabalha como professor universitário na Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVAS) e INAPÓS. Em Pouso Alegre, o vereador mora desde 1993, onde já recebeu o título de cidadão honorário. Iniciou mandato de vereador em Pouso Alegre, em 25 de junho de 2019, sendo reeleito para a Legislatura 2021/2024.

Adiantamos a notícia no Mandu News desta terça (14/12):

Categoria: Política

Bruno Dias teve alta hospitalar nesta segunda-feira (13/12). Imagem Ascom Câmara.

Bruno Dias (DEM), presidente da Câmara Municipal de Pouso Alegre, recebeu alta hospitalar na manhã desta segunda-feira (13/12) e passa bem. As informações são da assessoria da instituição. Ele está afastado temporariamente do trabalho.

Ele foi internado às pressas na última sexta-feira (10/12) após passar mal enquanto dava aulas em um colégio particular do município. O socorro foi feito pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Durante três dias ele ficou em observação e passou por exames no Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL).

Agradece apoio durante a internação

Uma postagem foi feita por ele ao amanhecer de sábado (11/12), do quarto do hospital. Ele agradeceu aos colegas de trabalho que o socorreram, prefeito, secretária de saúde, família e profissionais do hospital. Orações e mensagens de apoio que ele recebeu foram citadas na postagem em rede social pessoal.

Equipe do HCSL se reúne com Bruno Dias durante alta. Imagem Ascom Câmara.

O presidente do legislativo tem 40 anos. Apesar de passar bem desde o final de semana, ele precisou ficar internado “em observação até que os trombos se dissolvam”, afirmou a assessoria legislativa ao Terra do Mandu.

Sem o presidente

A última sessão ordinária da Câmara em 2021 será nesta terça-feira (14/12). Bruno não vai presidir a sessão. O paciente que teve alta recente, está afastado do trabalho até 10 de janeiro de 2022, por recomendação médica, acrescentou a assessoria.

Elizeto Guido, vice-presidente do legislativo, vai assumir a presidência da sessão desta semana. Depois, a casa entra em recesso e retorna as atividades no próximo ano.

camara de pouso alegre devolve R$ 11 milhões à prefeitura - Foto: Terra do Mandu

Categoria: Política

A Câmara Municipal de Pouso Alegre, Sul de Minas, está devolvendo R$ 11 milhões para os cofres da prefeitura. O valor foi economizado ao longo do ano pelo Legislativo, que recebeu um repasse obrigatório de 7% do orçamento do município.

Em entrevista coletiva, realizada na tarde desta quinta-feira (09/12), o presidente da Câmara, vereador Bruno Dias (DEM), contou como foi possível fazer uma economia recorde, que representa mais que o dobro do que foi devolvido em 2020.

De acordo com Bruno Dias, medidas adotadas em anos anteriores, como a aposentadoria de servidores da Casa, o corte de cargos de confiança, a redução de preços, dentro do possível, nas compras e licitações e a redução dos custos de cada gabinete dos 15 vereadores, com menos viagens e diárias.

Em 2021, a Câmara também recebeu R$ 2 milhões a mais da prefeitura do que no ano passado, com repasse total de R$ 24 milhões, de onde os R$ 11 retornam aos cofres do Executivo.

“Essa devolução é fruto de um trabalho de longo período e de muito suor, por parte de todos os serviços, todos os vereadores. E um dinheiro que vai ser aplicado no município de Pouso Alegre, que vai ser revertido em benefícios para a população”, afirma o presidente da Câmara.

A aprovação de projetos

Durante a coletiva de imprensa, o presidente da Mesa Diretora ainda destacou demais ações e projetos debatidos e aprovados pelos vereadores, como aprovação do Plano Diretor para o planejamento do desenvolvimento urbano da cidade para os próximos 10 anos.

A Câmara também trabalhou pela igualdade e equidade. “Criamos a Comissão permanente em defesa da mulher e o incentivo da contratação da mulher vítima de violência doméstica no mercado de trabalho. Também criamos o dia de combate ao machismo”, lembra Bruno Dias.

Diante de tudo aquilo que foi possível perceber com a pandemia da Covid -19, a Câmara Municipal de Pouso Alegre entendeu a essencialidade da Educação, a essencialidade da Atividade física e a necessidade de uma Pouso Alegre conectada, com internet para todos os estudantes. Todos esses assuntos viraram lei após serem discutidos e aprovados no plenário.

Outro assunto, é que a Câmara incentivou as empresas a destinarem o imposto de renda ao Fundo da Infância e Juventude e com isso, os projetos sociais não param de crescer.

A Câmara também aprovou investimentos históricos na zona rural, oferecendo uma vida completamente diferente para o homem do campo, com melhor mobilidade e qualidade de vida.

Cinco mil encaminhamentos de emprego via CAC

O Centro de Apoio ao Cidadão (CAC) que funciona na Câmara, faz a seleção e encaminhamento de pessoas para vagas de emprego em Pouso Alegre. Segundo o presidente, foram mais de cinco mil pessoas encaminhadas para empresas da cidade. Tem ainda o serviço de emissão de documentos de forma gratuita aos cidadãos.

A Escola do Legislativo, que completa 17 anos e leva educação cidadã aos estudantes é um dos projetos da Câmara de Pouso Alegre. Crianças e adolescentes participam de gincanas sobre temas e leis locais e nacionais.

rafael simoes prefeito de pouso alegre- Foto Daniel Silva -Terra do Mandu

Categoria: Política

rafael simoes prefeito de pouso alegre- Foto Daniel Silva -Terra do Mandu
Foto: Daniel Silva/Arquivo Terra do Mandu

Em novo julgamento, a Justiça Federal condenou Rafael Simões a dez anos de prisão pelo crime de peculato por desvio de medicamentos e materiais médicos do Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL). A decisão é do juiz substituto da 2ª Vara Cível e Criminal da Justiça Federal em Pouso Alegre, Marcelo Garcia Vieira. A sentença foi dada na última sexta-feira (26/11).

O magistrado acatou parte do recurso do Ministério Público Federal (MPF) no processo que investiga os desvios. O processo teve início em 2018, após o Ministério Público Federal apresentar a denúncia, já que o hospital recebe verbas federais, através do SUS.

As irregularidades teriam ocorrido no período em que Simões foi presidente da Fundação de Ensino Superior do Vale do Sapucaí (FUVS), entre 2013 e 2016, instituição mantenedora do hospital. Rafael Simões, que atualmente ocupa o cargo de prefeito de Pouso Alegre, pode recorrer da decisão em liberdade. Ele nega irregularidades (Veja nota ao final da matéria).

No mesmo julgamento da semana passada, a atual secretária de Saúde de Pouso Alegre, Sílvia Regina Pereira da Silva, na época diretora-executiva da FUVS, teve a mesma pena de dez anos de prisão. Ela também pode recorrer em liberdade.

Também é ré no processo a ex-funcionária do hospital, Renata Lúcia Guimarães Risso, que era coordenadora de compras do HCSL. Ela teve a mesma sentença de Simões e Sílvia, porém recebeu atenuantes, ficando a pena em quatro anos de prestação de serviços sociais. E ainda cabe recurso.

Tinham sido absolvidos

O prefeito, a secretária de Saúde e a ex-funcionária do hospital tinham sido absolvidos pelo crime de improbidade administrativa nesse mesmo processo em decisão do dia 06 de agosto desse ano dada pela juíza da 1ª Vara Cível e Criminal da Justiça Federal de Pouso Alegre, Tânia Zucchi de Moraes.

Na ocasião, a juíza demonstrou que houve a compra dos medicamentos e materiais da farmácia do HCSL e chamou a atenção de que não tenha sido a forma ‘mais adequada. Mas, no entanto, não seria uma atitude desonesta’.

Para absolver os réus, a magistrada considerou que “o conjunto probatório produzido ao longo da instrução demonstrou que os réus não enriqueceram de forma ilícita, não causaram prejuízo ao erário e tampouco violaram princípios da Administração Pública”, escreveu a juíza na sentença.

Novo julgamento

No novo julgamento, o juiz Marcelo Vieira considera que houve o crime de peculato de desvio porque o HCSL é mantido, por mais de 70%, com verbas do SUS. Sendo que os investigados atuavam na administração de recursos públicos. E ainda, que os materiais e medicamentos tinham venda proibida e deveriam ser usados, exclusivamente, em pacientes, dentro do hospital.

“As testemunhas foram claras na indicação de que as ampolas do antibiótico, as agulhas, seringas e soluções foram desviadas para serem utilizadas por Rafael Tadeu Simões, em seus bois.

Os recursos deveriam ser utilizados no atendimento aos usuários do SUS e não para tratamento dos bovinos particulares do Sr. Rafael Tadeu Simões, tendo ocorrido evidente desvio de finalidade de utilização dos medicamentos e materiais pelos acusados. Entendo também comprovado o dolo dos agentes nos desvios, pois todos sabiam que os medicamentos e materiais tinham a venda proibida”, afirma o juiz em trecho da sentença.

Segundo a denúncia do MPF, “ao todo, conjuntamente em todas as Contas Pacientes foram desviados do Hospital das Clínicas Samuel Libânio, 6.800 agulhas, 2.950 seringas, 180 ampolas de Amicacina, 181 fracos de solução ginger, 40 frascos de água destilada, 30 frascos de cloreto de sódio, 26 frascos de soro glicosado e 44 frascos de bicarbonato de sódio”.

Nas alegações durante o processo, a defesa de Rafael Simões sempre argumentou que pagou pelos materiais e medicamentos retirados do hospital, não havendo prejuízo para a instituição.

Em outro trecho da sentença de 48 páginas, o juiz acentua que “desconheço uma compra e venda, sem contrato de fornecimento, cujo pagamento ocorra 6 meses, 9 meses ou 1 ano depois, ao bel prazer do cliente. Na verdade, os réus utilizaram o HCSL como uma loja de produtos veterinários para a fazenda do então presidente, Rafael Tadeu Simões, desviando o objetivo fundacional e os recursos do SUS, consistentes nos medicamentos e materiais utilizados. Os pagamentos por cheque nominal foram realizados muito tempo depois do conhecimento dos fatos, como forma de tentar transparecer aquilo que outrora não se tinha qualquer intenção de mostrar a público, não sendo prova segura da ausência de dolo”.

As penas dos investigados

Já na parte final da sentença, o juiz considera que “a vítima dos delitos de peculato-desvio cometidos são a União, a sociedade e os usuários do SUS em Pouso Alegre/MG e microrregião, que não poderiam ter comportamentos que instigassem o cometimento do crime, razão porque tal circunstância não pode ser considerada desfavoravelmente ao condenado”.

O magistrado fixou a pena de dois anos de reclusão para os três réus no processo, somando os cinco delitos, considerados as cinco contas paciente, a pena foi de dez anos de reclusão a ser cumprida em regime fechado.

Como informado acima nessa matéria, a ex-funcionária Renata Risso teve atenuantes por não ocupar cargo de diretoria e teve a pena convertida em serviços sociais. Os três podem recorrer em liberdade da decisão.

O que dizem os investigados

Em nota enviada à imprensa, o prefeito Rafael Simões entende que a nova decisão seja equivocada, considerando a absolvição no julgamento anterior. Diz ainda que seus advogados irão providenciar o recurso e que a justiça será feita.

Ainda não conseguimos contato com as defesas da secretária de Saúde, Sílvia Regina Pereira, e com a ex-funcionária do hospital, Renato Risso.

Veja a íntegra da nota do prefeito Rafael Simões:

“No início da noite de ontem, tomei conhecimento da decisão proferida pelo Juiz Federal Substituto da 2ª Vara Federal de Pouso Alegre no processo que apura a regularidade da compra de R$2.851,41 de materiais do Hospital Samuel Libânio. Entendo que a decisão foi equivocada, destoando inclusive do que foi decidido, sobre os mesmos fatos, pela Juíza Titular da 1ª Vara Federal em outro processo, no qual fui absolvido, há menos de quatro meses. Por isso, encarreguei meus advogados de providenciar o devido recurso. Confiante no trabalho deles e seguro de que, ao final, será feita a justiça, posso continuar focado no trabalho à frente da Prefeitura de Pouso Alegre, onde ainda há muito a realizar!”

LEIA MAIS SOBRE O ASSUNTO:

Categoria: Política

A Câmara Municipal de Pouso Alegre desenvolveu um aplicativo com o objetivo de compartilhar com a população tudo o que é produzido pelo poder legislativo de forma fácil e prática. Por meio do app, moradores podem consultar documentos, ter acesso à informações de pautas e votações, além de enviar sugestões para os vereadores.

No menu “Fale com o Vereador”, o cidadão pode encaminhar sugestões, críticas, pedidos de informação e denúncias diretamente para o vereador escolhido, que recebe a demanda pelo e-mail institucional. Também é possível anexar fotos e indicar a localização exata de onde foi identificada a situação que requer a atuação dos vereadores.

Além disso, a plataforma permite que a população consulte documentos relacionados ao processo legislativo da Câmara, como proposições, legislação, pauta da sessão e até mesmo as votações. No aplicativo, ainda estão disponíveis todas as informações referentes aos vereadores, às Comissões Permanentes e à Mesa Diretora.

De acordo com o órgão, o novo canal permite que a sociedade possa contribuir ativamente com os trabalhos do Legislativo Municipal. O aplicativo está disponível para download no sistema Android e IOS. Veja como baixar:

  • Abra o Play Store ou App Store;
  • Busque por “Processo Legislativo Digital”;
  • Clique em instalar;
  • Na tela inicial do app, selecione a cidade de Pouso Alegre.

Categoria: Política

Governador Romeu Zema cumpre agenda em Pouso Alegre nesta sexta-feira (15). Foto: Terra do Mandu

O governador Romeu Zema (NOVO) cumpre agenda, nesta sexta-feira (15), em Pouso Alegre. Durante a visita, ele anunciou um aumento no repasse anual para o Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL), R$ 10 milhões a mais.

O chefe do Poder Executivo disse que a verba extra é um reconhecimento concedido aos hospitais que tem melhor eficiência, a fim de valorizar o trabalho que tem sido realizado por essas instituições. Atualmente, o HCSL recebe R$ 4,68 milhões por ano, em parcelas mensais, e passará para R$ 15 milhões anualmente.

A medida faz parte da nova Política de Atenção Hospitalar do Estado de Minas Gerais, Valora Minas, que objetiva reconhecer as instituições de saúde que tem mais eficiência. O intuito do repasse é fortalecer o sistema de saúde e melhorar a qualidade do atendimento aos moradores do município e região.

“Queremos que esses hospitais que resolvem muito recebam mais recursos. Eles vão poder ampliar leitos, comprar mais equipamentos, e esse recurso do estado vai frutificar muito mais do que se for para um hospital que não tem um índice de resolução tão elevado assim. Assim, todos os hospitais bons, de alta resolução, como o Samuel Libânio, estão tendo uma melhoria no repasse”, explica Romeu Zema.

Durante coletiva à imprensa, o governador também foi questionado sobre a possibilidade da liberação de uma verba extra para a construção do Hospital Oncológico, um anexo ao Samuel Libânio que será destinado ao tratamento de pacientes com câncer. Romeu Zema passou a questão para o prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões (DEM), que explicou o projeto e pediu auxílio do Governo do Minas.

“Quero sugerir que o senhor avalie a possibilidade de fazer um aporte semelhante para que nós possamos construir esse hospital em tempo recorde. Porque as pessoas sofrem muito no Sul de Minas com a questão oncológica, não só do adulto mas pediátrico. A proposta é que o hospital ficará de pé até abril, só que depois nós temos que continuar a obra para colocarmos em funcionamento”, afirma Rafael Simões.

Com a ampliação, o hospital terá capacidade de mais de 100 leitos para atender pacientes de 53 municípios da região. O governador Romeu Zema se comprometeu a avaliar a proposta e dar um retorno ao prefeito de Pouso Alegre.

Apoio aos produtores do Sul de Minas

O governador também vai se reunir com representantes da agricultura em Pouso Alegre. Ele disse que o governo estuda, junto com a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), desenvolver mudas de morango que tenham uma melhor adaptação ao clima do Sul de Minas, uma das regiões que mais produzem o fruto. São cerca de 8 mil pequenos produtores na região, sendo que a grande maioria é produção familiar.

“A importação de mudas ficou difícil e, muitas vezes, devido ao atraso e logística muito complicada, essas mudas chegam prejudicadas, sem a devida qualidade. E nós queremos, através  da Epamig, que nós venhamos a ter mudas especificas para o nosso clima. Então a Epamig, juntamente com os outros estados, formou um consórcio que vai estar conduzindo estudos científicos para que possamos melhorar a qualidade dessa muda e também passar a produzi-la aqui”, afirma o governador de Minas Gerais.

Vale lembrar que as os produtores de morango foram afetados com as geadas que atingiram as cidades da região no inverno desse ano.

Investimento em educação

Durante visita, o governador também falou sobre a área da educação. Segundo Romeu Zema, quase toda as escolas estaduais estão passando por reforma. Em Pouso Alegre, três escolas receberam mais de R$ 1 milhão somente para reforma física do prédio. Na Regional de Educação são 35 obras, mais de R$ 7 milhões investidos.

O chefe do executivo ainda disse que o mobiliário das unidades escolares será trocado. “Nós temos um mobiliário muito antigo, desconfortável, que danifica a roupa dos alunos”, afirma o governo.

Sobre a volta às aulas, Remeu Zema informou que o governo estuda o retorno das atividades presenciais para todos os alunos de forma obrigatória. “Agora está previsto, com a imunidade de rebanho que deve acontecer em novembro, esse retorno às aulas presenciais. Isso significa que o sistema híbrido deixaria de existir, e que nós voltaríamos ao sistema convencional presencial. Mas isso a Secretaria de Saúde e de Educação ainda vão definir no final de outubro início de novembro”, explica o chefe do executivo.

Auxílio emergencial mineiro

Romeu Zema também falou sobre o auxílio emergencial mineiro de R$ 600. Em Pouso Alegre, atualmente 4 mil famílias recebem o benefício que visa amenizar o impacto da pandemia na vida da população.

Categoria: Política

Temporal destelha casas, derruba árvores e causa estragos em Pouso Alegre. Foto: Ascom PMPA

O prefeito Rafael Simões (DEM) fez um balanço dos estragos causados pelo temporal que atingiu Pouso Alegre na tarde desta segunda-feira (04). A chuva, que veio acompanhada de fortes rajadas de ventos, derrubou várias árvores, destelhou casas e ainda deixou parte da cidade sem energia elétrica.

“Mais de 40 árvores foram derrubadas. 20 árvores, pelo menos, estão em condições precárias e precisarão ser extraídas. Tivemos mais de uma dezena de carros e motos destruídos. Casas foram destelhadas, barracões foram derrubados, foi um verdadeiro caos”, afirma o prefeito de Pouso Alegre.

No vídeo divulgado pela prefeitura, Rafael Simões ainda criticou as pessoas que tentam impedir a extração de árvores doentes. Ele afirmou que a prefeitura só faz a extração de árvores que oferecem riscos à população ou ao patrimônio de terceiros, a fim de evitar possíveis danos, como os que foram causados pelo temporal.

“Cada árvore extraída há uma compensação ambiental estabelecida pela Secretária de Meio Ambiente. A propósito desde que chegamos na prefeitura já plantamos mais de 20 mil mudas, em compensação àquelas que foram extraídas. A necessidade de extração de árvores doentes se faz imprescindível, e nós temos feito isso. Lamentavelmente ontem, pelo tamanho da chuva e ventania, nós tivemos um estrago grande”, disse o prefeito.

Ainda segundo Rafael Simões, as pessoas que tentarem impedir o corte ou poda de árvores serão responsabilizadas civilmente, caso ocorra algum desastre: “A propósito, a partir de agora, quando nós formos extrair uma árvore e algum ambientalista se contrapor, nós vamos convidá-lo a assinar um termo de responsabilidade. Porque se essa árvore vier a cair, ele será responsabilizado civilmente”, afirma o prefeito.

Categoria: Política

Um grupo de moradores dos bairros Jardim Floresta, Buritis e Parque Ibirá, em Pouso Alegre questiona o aumento do perímetro urbano na região do Parque Natural Municipal, que é área de preservação ambiental. Nos apontamentos mostrados pelos moradores, a atual área de amortecimento da mata do Horto Florestal passará a ser zona urbana, com permissão para construção imobiliária. VEJA O QUE DIZEM OS MORAORES NO VÍDEO.

O novo Plano Diretor de Pouso Alegre está na fase e votação pelos vereadores. O projeto que se tornará lei estabelece as diretrizes para o desenvolvimento da cidades para os próximos 10 anos e sua elaboração é uma exigência federal para municípios com população acima de 20 mil habitantes. As discussões para esse novo documento começaram em 2019 e foi suspensas durante um período, devido à pandemia da Covid-19.

No abaixo-assinado, os moradores dos três bairros ainda citam que o crescimento populacional poderá acarretar em outros problemas, relacionado à infraestrutura e segurança da região, trazendo prejuízos à qualidade de vida. O documento teve mais de 200 assinaturas e propõe emenda ao projeto do Plano Diretor para que se mantenha as áreas de amortecimento.

As reivindicações foram entregues para vereadores. A reportagem também entrou em contato com a prefeitura, responsável pelo texto final do projeto, após as discussões nas audiências públicas. Porém, até a publicação dessa matéria, nenhuma posição sobre o novo plano diretor foi passada.

O presidente da Câmara Municipal, Bruno Dias (DEM), falou ao vivo no Mandu News sobre o assunto. O projeto foi aprovado em primeiro turno em sessão ordinária dessa semana. O vereador explica o que foi levado em consideração na preparação e redação final do projeto que está em votação. VEJA A ENTREVISTA NO VÍDEO ABAIXO:

Categoria: Política

Os vereadores de Pouso Alegre aprovaram, nesta terça-feira (17), em última votação, um projeto de lei que pretende destacar empresas que priorizam a contratação de mulheres vítimas de violência doméstica.

A proposta foi apresentada pelo vereador Miguel Junior Tomatinho (PSDB) e institui o selo de responsabilidade social “Parceiros das Mulheres”. Esse selo poderá ser concedido às entidades sociais, empresas, entidades governamentais e outras instituições que atuarem em parceria com o Município, no desenvolvimento de ações que envolvam a formação, qualificação, preparação e inserção de mulheres vítimas de violência doméstica no mercado de trabalho.

Segundo o Vereador Miguel Junior Tomatinho, “a proposta tem como objetivo colaborar na inserção dessas mulheres no mercado de trabalho. O caminho percorrido desde a denúncia até a punição do agressor é de difícil percurso, e uma das dificuldades enfrentadas pela vítima é a saída do ciclo de violência, que a prende de diversas maneiras, entre elas está o fato de muitas das mulheres não conseguirem se desligar desse ciclo porque são economicamente dependentes do parceiro agressor”, afirma.

O Presidente Bruno Dias (DEM), sugeriu que o Centro de Apoio ao Cidadão (CAC) seja um dos pontos para tornar o projeto uma realidade, colaborando na captação de empresas interessadas em fazer parte da ação, além de ajudar na colocação dessas mulheres no mercado de trabalho.

O projeto aprovado pelos vereadores segue para a sanção e regulamentação do prefeito Rafael Simões (DEM).