Categoria: Economia

Prêmio especial não acumula. Valor renderia R$ 520 mil por mês se aplicado na poupança. Aposta mínima custa R$ 1,50.

Chegou o dia de tentar ser um milionário. Nesta segunda-feira (24), dia de São João, a Caixa Econômica Federal faz o sorteio do prêmio especial da Quina. O valor estimado do prêmio é de R$ 140 milhões e não acumula. Segundo a Caixa, o valor será o maior já pago desde 2011, quando a chamada Quina de São João foi criada.

Assim como os demais concursos especiais, como a Mega da Virada, o prêmio não acumula. Se não houver apostas vencedoras com cinco acertos, o prêmio principal será dividido entre os acertadores de quatro números – e assim sucessivamente.

O que fazer com R$ 140 milhões

Caso apenas um ganhador leve o prêmio da Quina de São João e aplique todo o valor na Poupança da CAIXA, receberá aproximadamente R$ 520 mil em rendimentos mensais. E se preferir investir em bens, poderá comprar 35 apartamentos de luxo, com carro na garagem, nas melhores localidades do país.

Como jogar
As apostas podem ser feitas até às 19h (horário de Brasília), da data do sorteio, em qualquer lotérica do país e também no Portal Loterias Online (www.loteriasonline.caixa.gov.br).

Para apostar na Quina, basta escolher de 5 a 15 números dentre os 80 disponíveis no volante. O apostador que acertar 2, 3, 4 ou 5 números, recebe o prêmio da respectiva faixa. O preço da aposta simples nas casas lotéricas, com 5 números, é R$ 1,50. O apostador também pode pagar R$ 9,00 e concorrer com 6 números ou R$31,50 e concorrer com 7 números e assim sucessivamente.

Categoria: Economia

A cidade tem quase mil lojas no centro comercial e 56 expositores na feira que vai até o dia 30 de junho 

Essa semana tem a chegada do inverno e feriado prolongado de Corpus Christi, oportunidade para os lojistas de Monte Sião aumentarem as vendas. A cidade promove até o dia 30 de junho a 44ª edição da FENAT, Feira Nacional do Tricô. De acordo com a Associação Comercial, a cada final de semana 30 mil pessoas visitam a cidade. São mais de 50 excursões aos sábados e domingos.

No Centro da cidade os visitantes encontram um ônibus todo revestido de tricô para não deixar dúvida de que você está na Capital Nacional da Moda Tricô. Na praça principal também acontece um festival de gastronomia e música ao vivo durante este mês.

De acordo com Tadeu Machado, presidente da Associação Comercial, a produção de malha representa 80% da economia da cidade de 23 mil habitantes. E emprega, diretamente, mais de dez mil pessoas.

Principalmente nos finas de semana, a feira, que acontece no pavilhão de moda, fica lotada de gente em todos seus corredores. O movimento esperado é de 80 mil pessoas até o fim do mês, com volume de vendas de 150 mil peças e arrecadação de R$ 3 milhões de reais.

VEJA MAIS DO DESFILE:

Categoria: Economia

Segundo prefeitura, esse é o maior investimento já feito por uma única empresa no município. A Verallia produzirá até um milhão de garrafas por dia. Fornos da empresa só serão desligados uma vez a cada 10 anos.

Verallia instala fábrica em Jacutinga- foto divulgação

A cidade de Jacutinga acaba de receber um investimento de R$ 330 milhões para a instalação de uma unidade da Verallia, empresa que fabrica garrafas e potes de vidro. O complexo fica próximo à rodovia MG-290 e ocupa uma área de 231 mil m², dos quais 42 mil m² são de área construída. O principal cliente da multinacional francesa no Brasil é a cervejaria Ambev, com sede em Jaguariúna, região de Campinas, em São Paulo.

A inauguração da fábrica está prevista para o início de julho. Mas os fornos já estão em funcionamento. Com alta tecnologia e automação, a unidade de Jacutinga terá capacidade de produção de 1,1 milhão de garrafas de vidro por dia. Segundo a prefeitura, os fornos ficam ligados 24 horas por dia e só poderão ser desligados a cada 10 anos. A empresa vai gerar 170 empregos diretos, além de outros empregos indiretos, com vinda de empresas de segurança, logística e alimentação.

Porque Jacutinga

O principal motivo da empresa ter escolhido Jacutinga é a disponibilidade de gás natural, fornecido pelo Gasoduto Paulínia (SP) –  Jacutinga (MG), que chega no município do Sul de Minas. Também contribuíram a localização de Jacutinga, com proximidade com a Ambev em Jaguariúna, além do acesso fácil de caminhões pela rodovia MG-290.

Maior investimento na cidade

O secretário de Governo e Desenvolvimento Econômico de Jacutinga, Newton José de Carvalho, confirmou ao Terra do Mandu que esse é o maior investimento já feito por uma empresa na cidade. O governo de Minas Gerais concedeu incentivos fiscais para a Verallia vir para o Sul de Minas. A prefeitura também ofereceu descontos em impostos como ITBI e IPTU. O secretário ainda não informações de quanto a empresa irá faturar na cidade, mas é certo que vai contribuir para alavancar a arrecadação do município.

“A vinda dessa empresa não só aumenta o faturamento do município, gera empregos diretos e indiretos, aumenta a participação de Jacutinga no montante da arrecadação e distribuição de impostos dos governos Federal e Estadual. Sem contar que é uma empresa que dá visibilidade à cidade, que além do polo de malhas, sendo responsável pela produção de 25% do que é produzido no Brasil”, afirma o secretário de Governo.

Gasoduto Paulínia – Jacutinga

Gasoduto em Jacutinga inaugurado em 2010. Foto: Petrobras

Foi inaugurado em janeiro de 2010, com capacidade de transporte de cinco milhões m³/dia e 93 km de extensão, o gasoduto trouxe, pela primeira vez por meio de gasoduto, gás natural para atender os municípios do Sul de Minas Gerais, principalmente indústrias dos setores de alumínio, cerâmica e alimentos. Na construção do empreendimento foram investidos R$ 275 milhões pelo Governo Federal.

Categoria: Economia

São mais de 120 expositores e a expectativa é vender 5 milhões de peças.

O primeiro fim de semana da FestMalhas, a feira de malhas de Jacutinga, tem deixado os comerciantes animados. Os corredores estão lotados. Os clientes vêm de todas as partes, principalmente paulistas, já que a cidade fica quase na divisa entre Minas e São Paulo.

Jacutinga é conhecida como a capital nacional das malhas, e conta com cerca de mil malharias e mais de 700 lojas de fábrica. Com uma população de 25 mil habitantes, 16 mil pessoas trabalham neste ramo direta ou indiretamente.

A FestMalhas é o maior evento anual de negócios e turismo do município. Este ano o evento que chega em sua 42ª edição. A feira começou na sexta-feira (07) e vai até o dia 23 de junho, feriado prolongado de Corpus Christi. A FestMalhas funciona todos os dias, das 08h às 18h, e aos finais de semana das 08h às 20h. A entrada é franca.

Além dos estantes de roupas, tem praça de alimentação com foods trucks, espaço fashion com desfiles de moda, shows e apresentações culturais. Tem ainda o espaço chamado de Vila Mineira, com artesanato e produtos regionais.

“Esperamos fazer uma FestMalhas ainda melhor, mais atraente para os turistas, visando o que temos em Minas. Queremos mostrar ao turista que vem para Jacutinga, principalmente aqueles de outros estados produtos artesanais de nossa gente. Na Vila Mineira terão quiosques de produtores rurais que fabricam queijos, cachaças, linguiças e tudo o que se refere à comida mineira, além da moda pet e de artesanatos que representam a tradição mineira”, conta o presidente da Associação Comercial de Jacutinga, Eliseu Fávaro Junior.

SERVIÇO –  42ª FESTMALHAS

De 7 a 23 de junho – Entrada Franca

Rua Prof. Augusto Felipe Wolf S/N

Horário de funcionamento: De segunda a quinta de 8 às 18 hrs

Sextas, sábados, domingos e feriados: de 8 às 20 hrs

Categoria: Economia

A palestrante Maísa Dóris é comunicóloga, especialista em marketing e negócios. Evento será nesta sexta, às 19h, no UNIS. Foto: reprodução

Encontro de mulheres empreendedoras, chamado Negócios para Elas, completa um ano. Para comemorar, haverá uma palestra especial, nesta sexta-feira (31) em Pouso Alegre, com entrada franca. A palestra conta com o apoio do Sebrae, da Unis e patrocínio do laboratório Méthodos. A palestrante Maísa Dóris é comunicóloga, especialista em marketing e negócios formada pela PUC-SP, USP, ESPM e também Bond University na Austrália e La Verne University na Califórnia, EUA. Tendo passado por grandes multinacionais e também pela Rede Globo, como responsável pelo marketing da emissora Vanguarda no Vale do Paraíba. Recentemente, direcionou seus estudos e trabalho para os negócios disruptivos dentro da economia criativa, no marketing de rede e agora se tornou a primeira profissional a lançar e coordenar o primeiro curso de extensão Universitária de Negócios em Rede pela UNIVAP, Universidade do Vale do Paraíba.

O Negócios para Elas surgiu em maio de 2018, com o nome Agora é que são Elas, e foi idealizado pela Júlia Lopes e Mariana Sayad, que são empreendedoras do Observatório Luneta, empresa especializada em economia criativa e novas economias. São encontros de mulheres empreendedoras sobre negócios, onde acontece uma palestra sobre temas voltados ao empreendedorismo, vendas, economia criativa e outros. Depois, cada mulher conta sobre seu negócio e no fim acontece entre onetwork entre as participantes.

O objetivo dos encontros é a geração de negócios entre as mulheres para a formação e fortalecimento de uma rede de negócios feito por mulheres. O Negócios para Elas acontece mensalmente em Pouso Alegre, Santa Rita do Sapucaí e este mês inicia em Borda da Mata. Além dos encontros, o projeto tem também um Podcast com o mesmo nome, que está disponível no Spotify, iTunes, Google Podcast e outras plataformas de streaming.

Serviço:

Palestra “Cada coisa em seu lugar: as 3 caixas da vida”

Com base em autores best sellers em desenvolvimento pessoal, profissional e de mentalidade empreendedora

Data 31 de maio

Hora: 19h

Local: UNIS Pouso Alegre – Rua Pedro Brechara, 140 – centro

Gratuito

Categoria: Economia

Apesar dos números positivos, tem gente que reclama que não consegue emprego na cidade. Extrema também se destaca e fica com saldo de 537 novos empregos entre janeiro e abril.

Fila durante feira de emprego realizada em fevereiro no Senac de Pouso Alegre Foto: Terra do Mandu

As indústrias farmacêuticas e de logísticas têm procurado Pouso Alegre para se instalar. Os especialistas já consideram o município como um polo nessas áreas. O resultado é a geração de empregos na cidade que tem alçando resultados positivos. De acordo com os dados divulgados esta semana pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia, nos primeiros quatro meses de 2019 o saldo entre demissões e admissões é de 953 vagas criadas.

Entre janeiro e abril o setor de serviços, que inclui logística, foi o que mais gerou novas vagas, com 826 no total; indústria vem na sequência com 408 postos. Já os setores do comércio e da construção civil tiveram resultados negativos no período.

A expectativa é que nos próximos meses os bons números se mantenham com a vinda de novas empresas que devem entrar em operação até o segundo semestre deste ano vão gerar, juntas, cerca de 500 empregos diretos e indiretos.

Para o secretário de desenvolvimento econômico, Dino Francescato, os dados apresentados pelo CAGED não ocorrem por acaso. “A posição geográfica e a logística são pontos favoráveis, mas o que realmente tem alavancado a vinda de novos investimentos para a cidade é a mudança de perspectiva com relação ao tratamento dispensado a quem quer investir aqui. Hoje temos procurado atender a todos os grupos empresariais que chegam, mostrando que o município tem mão de obra qualificada e uma excelente estrutura urbana com oferta de universidades, unidades de saúde especializadas e toda a rede de serviços encontrada em grandes centros urbanos”, completa.

Quem chega

Na última semana, duas novas empresas anunciaram a vinda para Pouso Alegre. A Supera RX é uma distribuidora de produtos farmacêuticos e está transferindo para a cidade seu centro de distribuição que ficava em Goiás.  A empresa irá funcionar em um galpão no distrito industrial. De acordo com o diretor da empresa, Alexandre Correa, estão sendo investidos R$ 3 milhões para a instalação na cidade e a previsão é gerar cerca de 30 empregos nas áreas de logística, segurança, informática, limpeza e manutenção.

“A escolha por Pouso Alegre foi resultado de profunda análise do grupo, tendo influenciado na decisão fatores como infraestrutura, localização estratégica para distribuição dos medicamentos, qualidade na mão obra, rede de serviços adequadas para o negócio e oferta de boa qualidade de vida para os futuros colaboradores da Supera”, afirma o diretor da empresa.

Emprega começa a operar no segundo semestre. Foto: reprodução

A multinacional Amcor está de volta a Pouso Alegre com sua linha de embalagens para alimentos. A fábrica está em processo de instalação e o início das operações na linha de produção estão previstas para julho deste ano e vai atender às linhas de maionese, ketchup e sopas da Unilever, que também retornam ao Sul de Minas. A informação foi confirmada por um dos gerentes da Amcor ao Terra do Mandu, Luciano Loures. Ainda de acordo com o gerente, a previsão é que sejam gerados entre 70 e 100 empregos diretos e indiretos. A empresa não informou o valor que está sendo investido na cidade.

No fim do ano passado, a Unilever anunciou a transferência de toda a linha de produtos Hellmann´s e Arisco de Goiás para Pouso Alegre. O investimento para ampliação da fábrica na cidade é de R$ 127 milhões. As operações também começam em 2019, com geração de 200 empregos diretos e 150 indiretos.

Diretores da Unilever com o prefeito e o secretário de Desenvolvimento Econômico de Pouso Alegre durante anúncio em 2018. (Foto: Terra do Mandu)

Sem emprego

Apesar dos números, ainda tem muita gente distribuindo currículos em empresas de recrutamento e porta de fábrica e não tem conseguido voltar ao mercado de trabalho.

É o caso de Elton Luiz de Oliveira, de 36 anos. Ele está desemprego há cinco meses. O último trabalho foi como vendedor. Mas para ampliar as opções, Elton fez um curso de vigilante e tem procurado emprego nas duas áreas.

“O que aparecer primeiro eu pego. Mas está difícil. Eu entrego currículo toda semana. Mas não está tendo emprego. Quando a gente encontra algo, o salário é baixo e sem benefícios”, reclama.

Números regionais

Apesar de não estar entre os maiores municípios em termos populacionais, Extrema vem de destacando na última década e já tem o segundo maior Produto Interno Bruto (PIB) do Sul de Minas. A cidade não para de atrair novas indústrias. Com isso, se mantém como forte gerador de empregos e fechou o primeiro quadrimestre com 537 vagas criadas.

Poços de Caldas criou 95 novas vagas e Varginha 208 no mesmo período. Itajubá, Lavras e Passos fecharam com saldo negativo de 54, 91 e 326 vagas respectivamente.

 

Categoria: Economia

Amcor, líder mundial na produção de embalagens, é fornecedora da Unilever. A previsão é que sejam gerados de 70 a 100 empregos diretos e indiretos.

A multinacional Amcor está de volta a Pouso Alegre com sua linha de embalagens para alimentos. A fábrica está em processo de instalação e o início das operações na linha de produção estão previstas para julho deste ano e vai atender às linhas de maionese, ketchup e sopas da Unilever, que também retornam ao Sul de Minas. A informação foi confirmada por um dos gerentes da Amcor ao Terra do Mandu, Luciano Loures. Ainda de acordo com o gerente, a previsão é que sejam gerados entre 70 e 100 empregos diretos e indiretos. A empresa não informou o valor que está sendo investido na cidade.

As instalações para abrigar as novas divisões e a fábrica de embalagens da Amcor estão dentro do próprio complexo industrial localizado no bairro Jardim Mariosa, às margens da Av. Prefeito Olavo Gomes de Oliveira.

A unidade que chega em Pouso Alegre está sendo transferida de Goiania. A Amcor esteve na cidade do Sul de Minas até 2006, quando mudou para o estado de Goiás junto com a Unilever, que tinha levado para lá sua linha da Hellmann´s.

No fim do ano passado, a Unilever anunciou a transferência de toda a linha de produtos Hellmann´s e Arisco de Goiás para Pouso Alegre. O investimento para ampliação da fábrica na cidade é de R$ 127 milhões. As operações também começam em 2019, com geração de 200 empregos diretos e 150 indiretos. A planta local opera atualmente com 670 colaboradores em seu quadro funcional. Com a expansão, a Unilever prevê um faturamento adicional de R$ 290 milhões em 2019, que poderá chegar a R$ 1 bilhão em 2020.

Sobre a Amcor

A Amcor é considerada a líder mundial no desenvolvimento e produção de embalagens e está presente em mais de 40 países com volume de vendas que ultrapassa os U$ 9 bilhões de dólares.  Os produtos desenvolvidos são para alimentos, bebidas, produtos farmacêuticos, dispositivos médicos, produtos domésticos e de cuidados pessoais, entre outros.

Foto: reprodução Amcor

Categoria: Economia

Dunia Oliveira, formada em administração, estava desempregada quando se viu obrigada em transformar o hobby em seu negócio. Assim, surgiu a marca de bolsas de mão criativas. Essa semana, o Sebrae realiza a Semana Nacional do MEI. Veja no final desta matéria como participar.

Dunia com uma de suas bolsas criativas. Foto: Magson Gomes/Terra do Mandu

A pouso-alegrense Dunia Oliveira criou sua marca própria de bolsas de mão. E como ela mesma define: “é uma arte que você carrega por aí”. Isso porque as peças produzidas são pintadas à mão em uma tela, como se fosse um quadro para decorar a parede de casa. Em seguida, essa tela é cortada e transformada em bolsa criativa. A marca CanvasBag existe há 10 meses e as vendas são feitas através de loja online e redes sociais.

Dunia se tornou uma microempreendedora individual (MEI) a partir da necessidade em ter uma fonte de renda. Formada em administração, com ênfase em comércio exterior, ela estava desempregada e precisava encontrar um meio para se sustentar.

Hoje com 31 anos, ela conta que aos 7 anos já tinha feito sua primeira colcha de crochê. Também fazia algumas roupas para suas bonecas. “Nesta época eu adorava fazer desenhos de desfile de moda”, relembra Dunia que morava na zona rural com a família de cafeicultores.

Anos mais tarde aquela garotinha entrou para a faculdade, mas não na área de moda. Já no segundo ano do curso de administração, ela começou a trabalhar numa empresa da área de saúde e lá ficou por nove anos. Período em que redescobriu o hobby de corte e costura e decidiu partir para uma nova faculdade, desta vez, na área de moda.

Porém, sem conseguir se manter numa nova cidade por falta de emprego, Dunia deixou a faculdade e retornou a Pouso Alegre. Ainda sem trabalho, ela resolveu pintar alguns quadros. “Enchi a casa de quadros coloridos, que era uma forma de espantar a tristeza”, conta.

Meses depois, ela conheceu o namorado, um gaúcho que morava em Itabira, região central de Minas. E lá foi ela morar numa nova cidade, sem conhecer mais ninguém, além do namorado. Novamente, a dificuldade de conseguir um emprego fixo era um tormento e, ao mesmo tempo, um alerta, um grito para transformar o que amava fazer em um negócio.

“Foi aí que vi que aquele era o momento de empreender. Sempre gostei de bolsas de mão, até um look mais básico fica chique com uma bolsa de mão”, constata e ri. A empreendedora que surgia não queria produzir algo parecido com o que havia no mercado. “Tinha que ser diferente, tinha quer ser mais exclusivo, tinha que ser único e de um material que minha máquina de costura doméstica pudesse costurar”.

Então, Dunia teve a ideia de dar um novo destino para aqueles quadros pintados em dias de tristeza. “Se um quadro é lindo na parede, imagina transformá-lo em bolsas e sair espalhando cores por aí?! Nele eu posso pintar o que quiser, com as cores que quiser e fazer qualquer estampa! Era isso!”, conta a empreendedora.

O primeiro protótipo saiu em junho 2018, após vários testes. No mês seguinte ela fez as primeiras postagens no Instagram para divulgar o trabalho. Em setembro formalizou e se tornou uma MEI, microempreendedora individual.

Hoje, ela produz seis modelos de bolsas, variando tamanhos e temas. Foto: Magson Gomes/Terra do Mandu

“Queria começar do jeito certo e garantir meus direitos previdenciários. Além de ter acesso aos cursos online do Sebrae para fazer a precificação correta e a gestão do meu pequeno negócio”.

Para Dunia, empreender é fantástico e o aprendizado é constante. “Venho crescendo um pouquinho todo mês. Porém, por se tratar de um produto ‘diferente’ é bastante desafiador. Em 10 meses de marca já pensei em desistir algumas vezes, mas sempre que ouço um ‘amei as suas bolsas’, sinto que estou no caminho certo” conta ela.

O nome CanvasBag foi a junção das definições em inglês do material usado para fazer quadros e de bolsa. Atualmente, os preços de cada bolsa variam de R$ 65 a R$ 80. As bolsas têm uma proteção em plástico para não borrar a arte em locais úmidos. Outro toque da artesã é o forro interno na cor de rosa. Elas podem ser adquiridas pelo site e pelas redes sociais. “E eu garanto que ninguém terá uma igual a sua”.

Contatos:

Site: www.canvasbag.com.br

Whatsapp atendimento/vendas: (31) 9.9536-2298

Instagram: @canvasbagoficial

Facebook: CanvasBagOficial

Semana do MEI

Nesta semana, entre os dias 20 e 24, o Sebrae realiza a Semana do MEI. Durante os cinco dias do evento, será realizado um mutirão de atendimento para quem quer se formalizar ou para quem já é MEI e quer melhorar a gestão do negócio.

Em Pouso Alegre, as palestras e oficinas serão nos dias 22 e 23 (quarta e quinta-feira). Os interessados em receber as orientações devem fazer a inscrição online. As palestras e oficinas são gratuitas.

Categoria: Economia

Programação inclui oficinas, palestras e orientações para o Microempreendedor Individual e para quem pretende se formalizar. Os interessados devem fazer a inscrição online.

Pouso Alegre é a segunda cidade do Sul de Minas que mais tem microempreendedores individuais, 6.933 no total. E esse número de pessoas donas do próprio negócio não para de crescer. O aumento foi de 10% em 2019 se comparado com o ano passado. Os dados são do Sebrae. É mais gente querendo se formalizar no mercado.

E justamente para ajudar essas pessoas que o Sebrae realiza entre os dias 20 e 24 de maio, em todo o país, a Semana do MEI – Microempreendedor Individual. Durante os cinco dias do evento, será realizado um mutirão de atendimento para quem quer se formalizar ou para quem já é MEI e quer melhorar a gestão do negócio.

Em Pouso Alegre, as palestras e oficinas serão nos dias 22 e 23 (quarta e quinta-feira). Os interessados em receber as orientações devem fazer a inscrição online. As palestras e oficinas são gratuiras.

“A Semana do MEI é uma oportunidade para o empreendedor se capacitar e melhorar a gestão do seu negócio. Além de ser um momento de tirar dúvidas daqueles que ainda buscam a formalização”, explica Rodrigo Pereira, gerente da Regional Sul do Sebrae Minas.

Para os dois públicos, quem já é MEI e quem quer se formalizar, serão oferecidas palestras e oficinas como: “Como ser MEI na prática”, “Gestão financeira”, “Como utilizar o marketing digital para impulsionar as vendas” e “Dicas de como obter financiamento bancário”.

Além de Pouso Alegre, aqui na região tem eventos em Brasópolis, Bueno Brandão, Camanducaia, Cambuí, Cachoeira de Minas, Itajubá, Jacutinga, Maria da Fé, Monte Sião, Paraisópolis, Pedralva, Poço Fundo, Santa Rita do Sapucaí e outras 25 cidades do Sul de Minas.

MEIs no Sul de Minas

O Sul de Minas tem hoje 107.292 microempreendedores individuais, segundo levantamento de 2019, do Sebrae Minas, registrando um crescimento de mais de 10% em comparação ao ano passado.  As cidades da região com maior número de MEIs são: Poços de Caldas: 7.044, Pouso Alegre: 6.933, Varginha: 6.775 e Itajubá: 5.168.

Como se formalizar

Para o empreendedor que queira se formalizar, haverá atendimento gratuito. Porém, antes de ir aos pontos de atendimento do Sebrae Minas, o interessado deverá fazer um cadastro obrigatório no site ‘Brasil Cidadão’, portal do Governo Federal, que entrou no ar em abril deste ano e gera um cadastro único para acesso a serviços públicos digitais. É importante que o empreendedor leve, no momento do atendimento, RG, CPF, comprovante de endereço, declaração de IR – e na falta dela, o título de eleitor, consulta prévia aprovada no município, além do cadastro na plataforma Brasil Cidadão.

Podem ser MEI trabalhadores que faturam até R$ 81 mil por ano, não têm participação em outra empresa como sócio ou titular, têm até um empregado contratado e desempenham alguma das 490 ocupações permitidas.

Categoria: Economia

Objetivo é investigar possíveis irregularidades nos preços praticados, a informação ao consumidor, a verificação da litragem nas bombas, as notas fiscais para saber a origem do combustível e se há algum crime contra a ordem fiscal e tributária.

Fiscais da Receita Estadual, do Procon do Ministério Público Estadual e do Instituto de Pesos e Medidas (Ipem) estiveram em um posto de combustíveis de Pouso Alegre nesta quarta-feira (15). De acordo com Renato Nunes, fiscal do Ministério Público, este tipo de ação está sendo feita toda semana em um posto diferente da Comarca de Pouso Alegre. VEJA NO VÍDEO. O objetivo é investigar possíveis irregularidades nos preços praticados, a informação ao consumidor, a verificação da litragem nas bombas, as notas fiscais para saber a origem do combustível e se há algum crime contra a ordem fiscal e tributária.

O fiscal do Ipem, Fernando Marques, verifica se a quantidade de combustível que sai da bomba está correta. Neste caso analisado hoje, não havia nenhuma irregularidade.

Durante a inspeção, o posto permaneceu fechado, sendo liberado após os trabalhos dos fiscais. De acordo com a fiscalização, as irregularidades encontradas não impendem o funcionamento do local.

O gerente do posto, Edson Carlos Franco, assinou um termo para resolver as pendências exigidas durante a fiscalização. O gerente ainda destacou que a fiscalização é importante para o posto também e é uma garantia para o consumidor. VEJA NO VÍDEO.

Um dos problemas verificados é que o posto utilizava uma maquininha de cartão de crédito e débito em nome de pessoa física, o que não permitido.