Categoria: Economia

Diretor de multinacional de origem indiana afirma que outros negócios do grupo poderão vir para a cidade nos próximos anos.

Executivo da ACG, Fernando Teixeira, fala dos investimento da farmacêutica em PA. Foto: Daniel Silva/Revista Terra do Mandu

Revista Terra do Mandu, edição especial, trouxe os números dos investimentos feitos pela indústria farmacêutica em Pouso Alegre. O levantamento, com os dados colhidos diretamente com as farmacêuticas e com a prefeitura, mostra que, até 2021, elas investem R$ 1,4 bilhão na cidade.  Terra do Mandu entrevistou executivos dessas empresas. Hoje, publicamos a reportagem sobre as projeções da gigante indiana ACG, que irá dobrar os investimentos já feitos na cidade, gerando novos empregos.

Em 2019, a multinacional farmacêutica ACG iniciou as suas operações em sua fábrica em Pouso Alegre. A empresa, que já mantinha um centro de distribuição no município desde 2011, fez um investimento da ordem de R$ 350 milhões na construção da fábrica. Cerca de 200 pessoas foram contratadas para as linhas de produção, que estão em funcionamento. Até o ano que vem, mais 100 empregos diretos devem ser gerados. Sem contar os empregos indiretos criados nas áreas de logística, segurança, limpeza, entre outros.

Em Pouso Alegre, a ACG produz cápsulas gelatinosas vazias que são fornecidas para a indústria farmacêutica para o enchimento com medicamentos, suplementos alimentares, nutrição, entre outros.

Planta inaugurada em 2019 é a primeira construída fora da Índia. Foto: Daniel Silva/Revista Terra do Mandu

A ACG é de origem indiana, que no decorrer dos anos se tornou uma empresa global. A fábrica em Pouso Alegre foi a primeira unidade greenfield, ou seja, construída do zero fora da Índia. O diretor de Operações da multinacional, Fernando Teixeira, conta que essa unidade foi projetada para atender o mercado brasileiro e exportar para outros países, o que já vem acontecendo.

“A nossa planta foi dimensionada para o atendimento nacional, latino-americano, também norte-americano e alguns países da África”, explica o diretor da ACG.

Só no Brasil, a ACG atende mais de 20 farmacêuticas, incluindo todas as que estão instaladas no Sul de Minas e que utilizam cápsulas para seus compostos.

“Hoje, a fábrica que está em Pouso Alegre é uma das maiores e mais tecnológica do mundo. A ACG é a única empresa mundial capaz de atender a indústria farmacêutica de A até Z”, afirma o diretor.

LEIA TAMBÉM: Cimed investe R$ 400 milhões em Pouso Alegre e espera faturar R$ 2 bilhões no ano que vem

Meta é dobrar investimentos nos próximos anos

A ACG está instalada numa área de 15 mil m², no bairro Limeira, próximo a Fernão Dias. Esta é apenas a primeira fase do projeto da empresa, que não informa qual a capacidade de produção, por questão estratégica de mercado. O diretor afirma que o grupo irá dobrar os investimentos na planta, chegando a um total de 500 empregos diretos nas linhas de produção.

“Essa fábrica foi uma concepção modular. Hoje, nós estamos com nossa capacidade de 10 linhas, e a ideia é dobrar essa capacidade. Todo o projeto foi feito para dobrar em alguns anos. E também trazer outros segmentos do negócio da ACG, se possível, aqui para Pouso Alegre”, conta Fernando Teixeira.

Segundo o diretor, ainda não é possível dizer quando começam os novos investimentos. “Existem sim planos de investimento futuro, tanto na parte financeira, que poderá até dobrar os investimentos, quanto na questão de empregabilidade, que envolve contratar novos colaboradores. Nós pretendemos ter mais de 500 pessoas trabalhando com a gente nos próximos anos”, antecipa o diretor.

Por que Pouso Alegre

O diretor explica os motivos que levaram a ACG escolher Pouso Alegre para a instalação de sua fábrica: localização estratégica, atratividade da indústria farmacêutica, clientes instalados na região, oferta de mão de obra qualificada e ainda incentivos fiscais dos governos estadual e municipal.

Além de possuir um parque industrial farmacêutico forte, Pouso Alegre fica, praticamente, no centro das demais indústrias do setor. A cidade também é um centro estratégico para deslocamento da produção: “Está próxima do Porto de Santos, perto do Aeroporto de Guarulhos e também do Aeroporto de Campinas, que são internacionais de carga. Então, tem aí o approach logístico. Adicional a isso, a gente tem uma mão de obra bastante qualificada aqui na região, isso ajudou bastante”, diz Fernando Teixeira.

Funcionário viaja 140 km todos os dias para trabalhar em Pouso Alegre

Tiago mora em Itapeva e trabalha na ACG em Pouso Alegre. Foto: Daniel Silva/Revista Terra do Mandu

A chegada de novas empresas tem atraído pessoas de outras cidades, que vem para Pouso Alegre em busca de emprego e aqui estabelecem moradia.

O caso de Tiago Omena Ramos, de 40 anos, é um meio termo nesse sentido. Ele é casado e tem um filho ainda criança. Tiago é técnico em segurança do trabalho e estava desempregado até surgir a oportunidade na ACG. Ele foi contratado para chefiar a equipe que garante as normas de segurança em toda a unidade.

Ele é de Itapeva, cidade a 70 km do local de trabalho. Por enquanto, o técnico de segurança está ‘num bate e volta’ todos os dias. “Mas eu tenho pretensões futuras de ter uma residência fixa aqui em Pouso Alegre, mas preciso convencer a família. Por mim, eu já estaria aqui”, conta o funcionário.

Categoria: Economia

Empresa é hoje o maior empregador privado da cidade, com 2.300 funcionários, sendo 33,5% com nível superior. Nova fábrica já está em construção no município e vai gerar mais 500 empregos diretos.

Sede industrial do Grupo Cimed. Foto: Magson Gomes/Terra do Mandu

A Revista Terra do Mandu, edição especial, trouxe os números dos investimentos feitos pela indústria farmacêutica em Pouso Alegre. O levantamento, com os dados colhidos diretamente com as farmacêuticas e com a prefeitura, mostra que, até 2021, elas investem R$ 1,4 bilhão na cidade.  Terra do Mandu entrevistou executivos dessas empresas. Hoje, publicamos a reportagem sobre os investimentos e projeções que estão sendo feitos pelo Grupo Cimed, que cresce em ritmo acelerado de mais de 20% ao ano.

A companhia é a quarta farmacêutica do Brasil, em números de produção. Para suportar esse crescimento, a empresa faz novos investimentos e a cidade que recebe esses aportes é Pouso Alegre, onde está localizado o complexo industrial da farmacêutica. Com 2.300 funcionários, a Cimed é a maior empregadora do município, no setor privado. Sendo que 33,5% dos funcionários são pessoas com nível superior de escolaridade.

Entre 2018 e 2020, o investimento projetado pelo grupo será de R$ 400 milhões, somente em Pouso Alegre. O diretor executivo industrial, Amaraí Furtado, conta que R$ 130 milhões estão sendo investidos em pesquisa e desenvolvimento (P&D), R$ 70 milhões foram em estrutura do atual parque industrial e o maior investimento de R$ 200 milhões será na construção da nova fábrica.

“Nós temos um desafio importante que é o faturamento de R$ 2 bilhões, em 2020. Nós faturamos R$ 1 bilhão em 2017. Então, vamos dobrar a companhia em três anos”, afirma Amaraí Furtado.

Diretor Executivo, Amaraí Furtado, em frente a sede industrial do Grupo. Foto: Daniel Silva/Revista Terra do Mandu

Em 2019 e 2020, a Cimed irá produzir 400 milhões de unidades de produtos, contra 370 milhões em 2018. “Tivemos que fazer uma série de investimentos na planta atual para suportar o crescimento de produção. Porque a nova fábrica fica pronta para utilização em 2021”, explica o executivo.

O complexo industrial do Grupo Cimed de Pouso Alegre tem as linhas de medicamentos, de suplementos e vitaminas, e a linha de higiene e beleza. Marcas que são destaque no mercado são Cimegripe, Lavitan e Dermafeme.

O diretor executivo afirma que o mercado de genéricos é estratégico para a Cimed, com forte investimento nessa categoria. “A divisão de genéricos é a que mais cresce no Brasil e na Cimed não é diferente, sua participação no faturamento do grupo vem aumentando significativamente”.

Nova fábrica de R$ 200 milhões e 500 empregos diretos

As obras da nova fábrica do Grupo Cimed, em Pouso Alegre, tiveram início no segundo semestre de 2019. A unidade está sendo construída numa área de 283 mil m², mais que o dobro da área do atual parque industrial. O terreno fica às margens da Fernão Dias, onde funcionou a empresa Locomotiva.

Dos R$ 200 milhões investidos na construção, R$ 100 milhões vieram através de financiamento junto ao BNDES e a outra metade são recursos próprios do Grupo Cimed. A previsão é que essa nova unidade fique pronta no fim de 2020, para entrar em operação no ano seguinte, gerando 500 empregos diretos.

“A opção por ampliar é porque nós temos uma demanda reprimida. Necessitamos ter uma nova estrutura para comportar o crescimento que nós tivemos nos últimos períodos; e também o investimento que fizemos em P&D, que vai transformar em necessidade produtiva. Por isso, nós optamos por construir outra unidade,” conta o diretor executivo.

Obras da nova fábrica já estão em andamento. Foto: divulgação

A nova fábrica será destinada, exclusivamente, à produção de medicamentos sólidos, que são cápsulas e comprimidos simples e revestidos. “Nessa ‘etapa 1’ vamos sair de uma capacidade produtiva,  hoje de 26 milhões de unidades sólidas ao mês e passar para 40 milhões de unidades sólidas ao mês, com a possibilidade de ampliação da produção  para 60 milhões unidades”, aponta Amaraí Furtado.

Além da fábrica, áreas de suporte ao negócio vão se instalar no local, como administrativo, laboratório de controle de qualidade e manutenção industrial. Terá ainda uma segunda unidade da Associação Educacional Claudia Marques, com 160 vagas para crianças de 0 a 3 anos, para as mães que vão trabalhar na unidade. No complexo 1, já são 120 vagas para os filhos de funcionárias.

Mesmo depois de inaugurar sua nova fábrica, a Cimed manterá a unidade atual ativa, com foco nas demais linhas de produtos, medicamentos isentos de prescrição, vitaminas, produtos de higiene, beleza e nutrição.

20 anos de Pouso Alegre

A Cimed inaugurou sua primeira unidade em Pouso Alegre no ano de 1999, há exatos 20 anos. “Enquanto as companhias estavam saindo de Minas Gerais, a Cimed veio para o estado. A empresa sempre acreditou no estado e na região do Sul de Minas, especificamente. Nós estamos numa posição geográfica estratégica,” relata o diretor executivo industrial. Segundo Amaraí Furtado, o maior mercado da farmacêutica é o Sudeste e o Sul do Brasil.

Outro fator importante em Pouso Alegre, diz Amaraí, é a mão de obra qualificada na região, que é muito importante para a indústria farmacêutica. São diversas faculdades públicas e particulares, nas proximidades, que garantem a presença dessa mão de obra diferenciada.

Empresa é o maior empregador privado de Pouso Alegre. Foto: Lucas Soares/G1

Amaraí acrescenta que essas são as características básicas que fizeram a Cimed vir para Pouso Alegre, permanecer e investir em seus negócios por aqui.

“E o que é importante: a gente traz para cá, empresas de suporte. Por exemplo, a ACG [multinacional indiana fabricante de cápsulas] foi implantada aqui em virtude de nós termos essa alta demanda de cápsulas. Nós temos também as empresas de segurança e diversos parceiros que vieram para a região, baseados nesta demanda do polo farmacêutico”, destaca.

O diretor executivo ainda comenta que a empresa tem um bom relacionamento com o estado e com o município, e recebe incentivos fiscais, mas pondera: “Acreditamos que Minas pode evoluir nesse sentido, porque há estados onde o incentivo é muito maior do que em Minas”.

Categoria: Economia

Dino Francescato estava na administração de Rafael Simões desde janeiro de 2017. Os motivos da saída seria assuntos pessoais e pela idade. Durante a sessão de ontem, vereadores comentaram a gestão de Francescato na pasta.

Foto: Ascom/PMPA

O empresário Dino Francescato deixou o posto de secretário municipal de Desenvolvimento de Econômico da prefeitura de Pouso Alegre. A notícia foi confirmada pela assessoria de comunicação da prefeitura.

No final da tarde desta quarta-feira (06) foi divulgada uma carta, assinada pelo empresário, onde ele explica os motivos para deixar o cargo e agradece ao prefeito Rafael Simões (PDSB) pelo período que esteve no governo municipal. Dino Francescato ainda afirma que, mesmo fora do posto, continuará contribuindo para a atração de mais investimentos para a cidade.

Carta em que Dino Francescato explica os motivos para deixar a pasta. reprodução

Ainda de acordo com a assessoria de imprensa da prefeitura, o substituto ainda não foi informado para o cargo.

VASTA EXPERIÊNCIA GESTÃO INDUSTRIAL

No currículo de Dino Francescato, publicado no site da prefeitura, informa o secretário tem vasta experiência em Gestão Industrial sendo responsável pelo desenvolvimento de projetos de implantação de fábricas na Argentina, Colômbia, México, Escócia, França, Holanda, Coréia, Japão, Taiwan e Hong Kong, além de vários projetos de racionalização e modernização de outras unidades em diversos outros países.

Dino Francescato estava na administração do prefeito Rafael Simões (PSDB) desde o início do governo, em janeiro de 2017. Ele era considerado como um dos mais importantes nomes da administração, responsável por atrair grandes investimentos para a cidade.

Diretores da Unilever, prefeito e o secretário de Desenvolvimento Econômico durante anúncio em 2018. (Foto: Terra do Mandu)

Nesse período, Francescato participou das conversas que confirmaram o retorno para Pouso Alegre da linha Hellmann´s e Arisco da Unilever. O investimento para ampliação da fábrica na cidade é de R$ 127 milhões. As operações começam neste segundo semestre de 2019, com geração de 200 empregos diretos e 150 indiretos.

Em 1975, Dino Francescato foi responsável pela chegada da Refinações de Milho Brasil LTDA a Pouso Alegre, hoje Unilever.

Ainda na atual administração, Francescato esteve envolvido nas negociações com grupos farmacêuticos que estão investindo R$ 1,4 bilhão, transformando Pouso Alegre em polo do setor.

Ainda como secretário, Dino afirmou que “a posição geográfica e a logística são pontos favoráveis, mas o que realmente tem alavancado a vinda de novos investimentos para a cidade é a mudança de perspectiva com relação ao tratamento dispensado a quem quer investir aqui. Temos procurado atender a todos os grupos empresariais que chegam, mostrando que o município tem mão de obra qualificada e uma excelente estrutura urbana, com oferta de universidades, unidades de saúde especializadas e toda a rede de serviços encontrada em grandes centros urbanos”.

ASSUNTO NA CÂMARA

Durante a sessão ordinária desta terça-feira (05), vereadores da base do prefeito agradeceram os serviços prestados pelo secretário nesses quase três anos no governo. Os parlamentares destacaram os investimentos atraídos no período, com a criação de novas vagas de emprego.

Categoria: Economia

Até 2021 serão 2 mil novos empregos gerados apenas pelas indústrias farmacêuticas.

Biolab investe R$ 450 milhões na construção de seu complexo industrial em Pouso Alegre. Arte reprodução

Se Minas Gerais é o estado onde a indústria farmacêutica mais cresce no Brasil, Pouso Alegre se consolida como cidade polo desse setor. Até 2021, a cidade do Sul de Minas deve receber aportes de R$ 1 bilhão e 440 milhões, com geração de 2 mil empregos diretos. Duas novas fábricas de medicamentos já foram anunciadas e, recentemente, empresas tiveram empreendimentos inaugurados no município.

De acordo com a Agência de Promoção de Investimentos de Minas Gerais (Indi), os fabricantes de produtos farmacêuticos e farmoquímicos localizados no estado tiveram o maior crescimento no Brasil em 2018, alcançando os 15,44% em relação ao ano anterior.

O economista e diretor do Indi, João Paulo Braga, diz que o crescimento em Minas Gerais, mostrado pela Pesquisa Industrial Anual do IBGE, supera todas as unidades da federação pesquisadas, incluindo São Paulo, maior produtor nacional. “A depender dos investimentos em curso e das ações do Indi, a expansão da indústria farmacêutica no estado deve se intensificar e a projeção é que o faturamento triplique no horizonte dos próximos cinco anos”.

A previsão do Indi é que o faturamento anual passe dos R$ 3,18 bilhões, em 2018 para R$ 9 bilhões nos próximos cinco anos. Maior parte dessa receita sairá de Pouso Alegre já que, apenas a Cimed, que tem sede no município, espera faturar R$ 2 bilhões, em 2020, e está com expectativas ainda mais altas a partir de 2021, quando a nova fábrica entrará em operação.

De todos os investimentos anunciados nesses últimos anos para cinco cidades mineiras, Pouso Alegre concentra mais que o dobro das demais juntas. Os outros quatro municípios de Minas que recebem aportes do setor são Montes Claros, Nova Lima, Poços de Caldas e Varginha.

As farmacêuticas

Pouso Alegre abriga atualmente gigantes como: Cimed, ACG, União Química, Sanobiol (do grupo Cristália), Supera RX Medicamentos. Todas essas empresas estão fazendo e/ou fizeram grandes investimentos recentes na cidade. Ainda tem a Biolab e Cimed construindo novos complexos industriais na cidade.

VEJA MAIS DETALHES NA REVISTA TERRA DO MANDU

O fator Pouso Alegre

O diferencial logístico – considerando a proximidade com os grandes mercados do país, principalmente São Paulo – impulsiona a indústria farmacêutica em Pouso Alegre. Além da infraestrutura, disponibilidade de energia elétrica, escolas, creches, hospitais e a presença de instituições de ensino que formam a mão de obra especializada para atender às necessidades do mercado.

Categoria: Economia

O e-commerce mandubai.com já reúne 30 lojistas e será lançado em novembro, antes da Black Friday. Os empresários estão otimistas. Consumidores de Pouso Alegre gastam cerca de R$ 35 milhões ao mês com as compras online. O objetivo é reter parte desse dinheiro no comércio local e ainda vender para outras regiões do Brasil.

Empresa explica logística das encomendas. Foto: Terra do Mandu

A Associação do Comércio e Indústria de Pouso Alegre (Acipa) contratou uma plataforma de vendas online e uma empresa que atua na área de logística do e-commerce e criou um site de vendas pela internet para atender os comerciantes de Pouso Alegre. De acordo com o presidente da Acipa, Filipe Vargas, o mandubai.com será lançado até a Black Friday desde ano, que ocorre agora em novembro.

Cerca de 30 empresas já aderiram ao e-commerce da Acipa. Nesta semana os representantes dessas empresas estiveram reunidos com a empresa que fará a logística das vendas pela internet para entenderem como funciona o sistema de entrega, com prazos e valores de frete, dependendo das localidades onde o comprador está.

De acordo com informações da Acipa, os consumidores de Pouso Alegre gastam cerca de R$ 35 milhões por mês com compras na internet. É como se cada morador da cidade gastasse cerca de R$ 233 a cada mês por encomendas online. Com a plataforma, os empresários de Pouso Alegre passam a brigar por esses clientes e por todo mercado de vendas remotas.

“Quando a gente conversa com o associado, o sonho dele é que a Acipa possa vender por ele, principalmente, naqueles momentos em que o mercado dá uma diminuída. Com essa plataforma, a Acipa realiza o sonho do associado que é vender para ele nacionalmente”, afirma Filipe Vargas.

Segundo o presidente, a associação está investindo R$ 200 mil na implantação da ferramenta. A plataforma de maketplace é desenvolvida pela Tray, da Locaweb, que detém 23% do tráfego de internet no Brasil e movimentam R$ 2 bilhões por ano. A empresa responsável pela logística de entrega das mercadorias é a Jadlog, que já atua no e-commerce de grandes varejistas, como Netshoes, Walmart, Saraiva e Mercado Livre.

Se a compra for local ou de cidade próxima de Pouso Alegre, o lojista poderá optar por entrega própria para facilitar e agilizar o atendimento ao cliente.

“É muito difícil um associado entrar sozinho no e-commerce e competir, se mostrar para todo o Brasil. Muito mais difícil do que ela entrando em conjunto, trocando experiências com outras pessoas, que poderiam ser concorrentes e estão se ajudando. Nossas empresas se complementam e fazem o site mais forte, oferecendo um mix de produtos maior, para já nascer grande e competitivo,” explica Filipe.

O associado que aderir ao sistema da plataforma paga uma mensalidade e poderá cadastrar seus produtos.

A expectativa da associação comercial é que os empresários que aderirem ao serviço consigam aumentar suas vendas em até 30% em um ano atuando nesse mercado. Com maior faturamento, o lojista negociar com o fornecedor e baratear o produto para o consumidor.

EMPRESÁRIOS ESTÃO CONFIANTES

Os empresários que já estão cadastrando seus produtos estão animados com a nova ferramenta de vendas. Maikel Sena, dono de uma papelaria, conta que já existe demanda para seu comércio estar online e não pode ficar de fora desse mercado, que só cresce.

“Faço ações nas redes sociais de divulgação de produtos e percebo que impulsiona minhas vendas. Isso será mais fácil com um site onde a própria pessoa entra, escolhe o produto e compra, de qualquer lugar do Brasil. A competição é bruta. Se não começar, você não vai saber se pode competir ou não. Na verdade, é um passo de cada vez”, afirma Maikel.

O empresário Vladimir Zacheu, que tem uma distribuidora de produtos de festa, brinquedos e embalagens, está otimista com o serviço e afirma que tem tudo para dar certo.

“A gente já tem condições de competir com que já está online e vamos fazer acontecer. Vamos oferecer para o nosso cliente na internet condições para eles escolherem nossos produtos. Fiquei surpreendido com relação a logística.  Não entendia a dimensão da empresa contratada para fazer esse trabalho para a gente. Vai ser possível fazer muita coisa interessante”, diz o empresário.

Logo do site de compras que reúne lojistas de Pouso Alegre. (reprodução)

Categoria: Economia

População da cidade irá, praticamente, dobrar no período, segundo estudo feito pela UNIFEI e que compreende o novo Plano Diretor da cidade que está em fase de elaboração.

Novos edifícios e novos loteamentos não param de surgir na cidade. Foto: Magson Gomes/Terra do Mandu

Pouso Alegre vem se destacando no Sul de Minas como a cidade que mais gera empregos e, consequentemente, mais recebe novos moradores. Dados de um estudo divulgado nesta terça-feira (01/10) mostram que o crescimento será ainda mais acelerado nos próximos anos. A população de Pouso Alegre poderá passar dos atuais 150 mil moradores para 280 mil pessoas em 20 anos.

O estudo foi elaborado pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) e faz parte da elaboração do Plano Diretor, que é os apontamentos de como a cidade vai se desenvolver nos próximos anos e prepara-la para poder suportar esse desenvolvimento, garantindo sustentabilidade e qualidade de vida.

OS NÚMEROS ATUAIS DO CRESCIMENTO

Dados do IBGE mostram que, entre 2010 e 2019, Pouso Alegre ganhou uma nova cidade, em números de novos habitantes. São 20.122 pessoas que chegaram para morar, trabalhar e estudar. A economia saltou do terceiro para o primeiro lugar, com o maior Produto Interno Bruto (PIB) do Sul de Minas, com produção de quase R$ 7 bilhões em riquezas por ano.

De janeiro de 2017 a agosto de 2019, números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) mostram que foram criados 4 mil e 148 novos postos de trabalho com carteira assinada na cidade.

Entre os diferenciais do município, estão a localização estratégica, próximo dos grandes centros consumidores do país; a infraestrutura, com faculdades e universidades que garantem formação de mão de obra qualificada; além de escolas, creches, hospitais, hotéis e toda uma rede que serve quem está de passagem a trabalho ou quem decidiu montar um novo lar por aqui.

 A EVOLUÇÃO DO EMPREGO X O CRESCIMENTO DA CIDADE

No estudo elaborado pelos técnicos da UNIFEI, aponta que a geração de empregos formais em Pouso Alegre continuará acima da média regional, estadual e nacional. Com isso, a previsão é que a cidade irá receber cada vez mais pessoas em busca de trabalho e a população poderá ter um saldo de mais de 130 mil habitantes em 20 anos.

De acordo com métodos matemáticos, a projeção geométrica eleva o número de habitantes para 280 mil em 2040, considerando a evolução de empregos em comparação com o número de habitantes.

Secretário acredita que indústrias vão alavancar o mercado de trabalho na cidade nos próximos meses. Foto: Ascom/PMPA

Para o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico Dino Francescato, a ampliação das empresas em atividades e as novas que passam a integrar o parque industrial, bem como o segmento de serviços, puxado pelo comércio, são corresponsáveis por grande parte desses números e se destacam como fonte de geração de empregos, mantendo Pouso Alegre nesta posição privilegiada.

Categoria: Economia

Cidade cresce acima da taxa nacional é a que mais recebe novos moradores no Sul de Minas, segundo dados divulgados pelo IBGE.

Pouso Alegre recebeu quase 2 mil novos moradores de 2018 para 2019. Foto: divulgação Ascom prefeitura

Nesta quarta-feira (28), o IBGE divulgou as estimativas das populações residentes nos 5.570 municípios brasileiros, com data de referência em 1º de julho de 2019. Estima-se que o Brasil tenha 210,1 milhões de habitantes e uma taxa de crescimento populacional de 0,79% ao ano.

No Sul de Minas, Pouso Alegre é a cidade que mais cresceu, chegando aos 150.737 moradores, um crescimento de cerca de 1,3% ao ano, ficando acima da taxa nacional. Entre 2018 e 2019, Pouso Alegre recebeu mais 1.857 pessoas. Na estimativa de 2018, a cidade estava com 148.862 habitantes.

As estimativas populacionais municipais são um dos parâmetros utilizados pelo Tribunal de Contas da União para o cálculo do Fundo de Participação de Estados e Municípios e são referência para vários indicadores sociais, econômicos e demográficos.

Na região

Poços de Caldas continua sendo o maior município do Sul de Minas. De acordo com os dados do IBGE, a estimativa da população passou de 166.111 em 2018 para 167.397 em 2019, um aumento de 1.286 moradores.

Varginha está com uma população estimada em 2019 de 135.558. Em 2018 eram 134.477, um aumento de 1081 pessoas.

Cidade que diminui

Senador José Bento, que já é a menor cidade da região, continua perdendo moradores, segundo o IBGE. A população em 2019 é de 1502 pessoas, 43 a menos que em 2018.

As 10 maiores cidades do Sul de Minas

  • Poços de Caldas – 167.397
  • Pouso Alegre – 150.737
  • Varginha – 135.558
  • Passos – 114.679
  • Lavras – 103.773
  • Itajubá – 96.869
  • Alfenas – 79.996
  • Três Corações – 79.482
  • São Sebastião do Paraíso – 70.956
  • Três Pontas – 56.746

Categoria: Economia

Farmacêutica está investindo R$ 100 milhões na construção de nova fábrica em Pouso Alegre, dedicada a produção de comprimidos. Cimed deverá faturar em 2019 R$ 1,6 bilhão.

João Abibe, presidente da Cimed, mostra números da indústria farmacêutica. Foto: Ascom prefeitura

Nesta segunda-feira (26), o presidente do grupo Cimed, João Adibe Marques, participou de uma reunião com o governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo) e o prefeito de Pouso Alegre, Rafael Simões (PSDB). O encontro foi realizado no Palácio Tiradentes, na Cidade Administrativa. O deputado estadual Dr. Paulo Valdir Ferreira e o deputado Federal, Bilac Pinto (DEM), que deverá assumir secretaria de Governo de Zema, também participou da reunião.

O encontro foi um pedido do presidente da Cimed para apresentar os dados sobre o crescimento da indústria farmacêutica em Pouso Alegre e região. Um dos assuntos da reunião foi a construção da nova fábrica da farmacêutica na cidade.

Nova Planta

No mês passado, a Cimed informou que conseguiu um financiamento de R$ 100 milhões junto ao BNDES para construção da nova unidade, no terreno que fica às margens da Fernão Dias, antiga fábrica da Locomotiva. A nova fábrica da Cimed em Pouso Alegre terá mais que o dobro da planta atual, localizada no bairro Santa Rita. Quando estiver em operação, em 2021, a unidade vai gerar 500 empregos diretos, com capacidade de produção de até 60 milhões de comprimidos por mês.

Ainda de acordo com informações da assessoria do grupo, a expectativa de faturamento da Cimed em 2019 é de R$ 1,6 bilhões, um crescimento de 24% em relação ao ano anterior.

“A nossa primeira unidade foi estabelecida em Pouso Alegre em 1999. Desde então, ampliamos a linha de produtos e realizamos diversos investimentos no parque industrial. No final do ano passado, tivemos a oportunidade de adquirir uma planta próxima ao atual parque fabril, o que tornou o plano de expansão um grande investimento para a empresa”, disse João Adibe, presidente da Cimed, após liberação do financiamento do BNDES para a construção da nova fábrica.

SOBRE A CIMED
A Cimed é umas das maiores farmacêuticas do país com mais de 40 anos de história, é um dos poucos grupos que permanece totalmente brasileiro e independente até hoje. São mais de 500 produtos no catálogo e uma distribuição nacional para mais de 40 mil pontos de vendas atendidos diretamente. Além disso, a Cimed é líder do setor na venda de medicamentos isentos de prescrição médica (MIP). Com sede administrativa em São Paulo, a empresa tem mais de 3.100 colaboradores em todo Brasil. Seu complexo fabril se encontra em Pouso Alegre (MG), e o centro de distribuição central e a gráfica em São Sebastião da Bela Vista (MG), além de contar com 23 centros de distribuição espalhados pelo país. Atualmente, a empresa é uma das maiores apoiadoras do esporte nacional, patrocinando a Confederação Brasileira de Futebol.

A intenção das autoridades é fortalecer a imagem de Pouso Alegre como polo farmacêutico. Foto: Ascom prefeitura

Categoria: Economia

Nesta semana, entre 20 e 22 de agosto, Santa Rita do Sapucaí sedia mais uma edição da feira de negócios tecnológicos, a FIVEL. A entrada é gratuita. Novidades serão apresentadas ao mercado.

Um dos expositores da FIVEL, o INATEL é um dos líderes no desenvolvimento da tenologia 5G com aplicação para cidades inteligentes, indústria 4.0 e internet das coisas – Foto: divulgação

O Vale da Eletrônica, em Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas Gerais, projeta um faturamento de R$ 1 bilhão em novos negócios nos próximos 18 meses. São cerca de 150 empresas de base tecnológica que investem, em média R$ 300 milhões por ano em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e faturam com os resultados.

As novidades em equipamentos e produtos criados nas empresas e faculdades do Vale da Eletrônica serão mostradas na 15ª Feira do Vale da Eletrônica (FIVEL), que acontece essa semana, entre terça-feira, dia 20, e quinta-feira, dia 22 de agosto. Organizada pelo Sindicato das Indústrias de Aparelhos Elétricos, Eletrônicos e Similares do Vale da Eletrônica (Sindvel), a feira está entre as mais importantes rodadas de negócios da indústria de base tecnológica no Brasil, com grande capacidade de influenciar dezenas de setores que dependem de plataformas tecnológicas para seguirem competitivos.

Produtos já desenvolvidos

Foi em Santa Rita do Sapucaí que foi desenvolvida a tecnologia do padrão brasileiro de TV digital, urna eletrônica e atua de forma pioneira na internet 5G.

Entre os novos produtos estão soluções para indústria 4.0, a chamada Internet das Coisas, biotecnologia sustentável para o campo, o mais avançado equipamento eletrônico de medida protetiva para a mulher e eletromédicos de diagnóstico à distância.

Investimentos garantem inovação e fazem Vale da Eletrônica prosperar na crise

Para o presidente do Sindvel, Roberto de Souza Pinto, não há como inovar e desenvolver novas aplicações tecnológicas sem investimento. Por outro lado, o ambiente colaborativo existente no Vale da Eletrônica é uma vantagem competitiva que, não apenas estimula a inovação, como garante dinamismo mesmo em momentos de crise. “Ao colaborarem entre si e seguir inovando, atentas à vanguarda da tecnologia mundial, as empresas estão sempre um passo à frente e se mantêm competitivas mesmo em momentos de baixa atividade econômica”, avalia.

Para o presidente do Sindvel, Roberto de Souza Pinto, não há como inovar e desenvolver novas aplicações tecnológicas sem investimento. Foto: Divulgação

Não é para menos. Com investimentos mantidos, o berço da tecnologia de ponta no país segue empregando quase um terço da mão de obra da indústria eletrônica em Minas Gerais, com cerca de 14,7 mil pessoas atuando na produção de 14.500 diferentes produtos.  Em 2018, as empresas que integram o APL faturaram R$ 3,2 bilhões.

Serviço: 15ª Feira Industrial do Vale da Eletrônica

Data: 20, 21 e 22 de agosto de 2019

Local: Escola Técnica de Eletrônica “Francisco Moreira da Costa” – ETE, localizada à Avenida Sinhá Moreira, nº 350, Centro – Santa Rita do Sapucaí – MG

Horário: das 14h às 21h

Categoria: Economia

Pagamento pode ser feito pela internet, casas lotéricas ou agências bancárias. Quem não recebeu documento pelos Correios pode retirar pela internet.

Contribuintes buscam atendimento na Central da prefeitura. Foot: AscomPMPA

A primeira parcela ou cota única do imposto, com 10% de desconto, do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) de Pouso Alegre vence neste sábado, dia 10 de agosto. O contribuinte que fizer a opção do pagamento à vista terá 10% de desconto. Já quem optar pelo parcelamento, poderá dividir em até 5 vezes, respeitando-se o valor mínimo de R$ 50 por parcela.

A entrega dos carnês começaram a ser entregues em julho e também está disponível no site da prefeitura. O pagamento do imposto pode ser feito no autoatendimento bancário, na internet, nas casas lotéricas ou diretamente no caixa das agências bancárias: Banco Itaú, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal.

Após o vencimento inicial, conforme consta no carnê, não haverá mais a possibilidade do pagamento da cota única, restando as parcelas com multa e juros, no caso de pagamento em atraso.

Central de atendimento com horário ampliado

Desde que os carnês do IPTU começaram a ser entregues, o horário de atendimento ao contribuinte na Central de Atendimento da Prefeitura foi ampliado para atender as pessoas com dúvidas ou necessidade de impressão do imposto. Segundo a prefeitura, apenas nesta quarta-feira (07) 700 pessoas foram atendidas no local.

A Central de Atendimento fica na Praça Dr. Garcia Coutinho, nº 17/Centro. O horário de funcionamento é: das 09h às 11h30 (IPTU 2019), e das 11h30 às 17h (atendimentos diversos).

Central de Atendimento com horário especial para atendimento do IPTU. Foto: AscomPMPA

Quem tem isenção no IPTU

É isento de IPTU o proprietário de 01 imóvel, que preencha um dos requisitos  (Leis 996/70 e 3094/96 c/c Decreto 3397/10: a) ser ex-combatente nos termos da Lei 996/70; ser portador de doença grave, ou doença física, ou idoso – casos em que todos os pedidos serão submetidos à apreciação da Assistência Social; ser  aposentado ou pensionista ou receber o benefício de prestação continuada da Assistência Social  – desde que, em todos os casos, receba até 02 (dois) salários mínimos; acolher, so forma de guarda, criança ou adolescente órfão abandonado; o imóvel possuir até 112 m2 de terreno e área construída de até 60m2.