0

Comerciante é vítima de estupro dentro de loja em SRS

Vítima relatou que estava trabalhando quando o homem entrou na loja e passou a mão em suas partes íntimas. Foi o segundo caso na semana.

Gabriella Starneck
11/11/2021

Uma comerciante, de 27 anos, foi vítima de estupro, na manhã desta quinta-feira (11), em Santa Rita do Sapucaí. Fernanda Aparecida Silva estava trabalhando quando foi surpreendida pelo homem dentro da loja.

O caso aconteceu por volta das 10h, na Avenida Frederico de Paula Cunha. A vítima relatou ao Terra do Mandu que estava separando algumas roupas para fazer provador (vídeos no espelho para mostrar a roupa), quando o suspeito entrou no estabelecimento perguntando se tinha camiseta GG.

“Ele me fez algumas perguntas, como outros clientes fazem, e quando eu estava tirando as camisetas menores da frente, ele me obrigou a ir para o provador. Eu achava que ele queria roubar a loja. Mas ele estourou o botão da minha calça, enfiou a mão dentro da minha calcinha e passou a mão. Eu fiquei me debatendo dentro do provador, mas a porta do provador é estreita. Não deu pra eu fazer nada. Quando eu disse que ia gritar, ele saiu. Eu fiquei em choque por três minutos”, conta a vítima.

Para a Polícia Civil, o caso já é tratado como estupro já que, mesmo sem a conjugação carnal, qualquer ato libidinoso é configura o crime.

Logo após o ocorrido, Fernanda Aparecida chamou a Polícia Miliar. Os militares foram até a loja, registraram boletim de ocorrência e começaram a fazer o rastreamento do suspeito, a partir de imagens de circuitos de segurança. A PM disse que ainda não foi possível identificar o homem.

Foi o segundo caso de estupro na mesma semana. Após Fernanda Aparecida denunciar o caso, outra mulher também procurou a polícia para denunciar que foi vítima do mesmo homem na terça-feira (09). Ambas os casos aconteceram na Avenida Frederico de Paula Cunha. Fernanda afirma que nunca viu o suspeito na região.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, Fernanda pede para que as pessoas deixem de culpar a vítima nessas situações: “Não é roupa, não é nada. Porque eu estou vestida com calça, camiseta. Então não culpem a mulher, porque isso daí é um homem sem vergonha. Nós, mulheres, somos vítimas. Depois eles jogam: “ela estava de shortinho, de cropped. Olha o jeito que eu estou trabalhando, gente?! Isso tem que acabar”, afirma indignada.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.