Categoria: Gente do Mandu

Campanha tem como objetivo aumentar o estoque na unidade, que está 55% abaixo do ideal.

O Hemocentro Regional de Pouso Alegre, no Sul de Minas, realiza campanha na Semana Nacional do Doador de Sangue, com o objetivo de aumentar o estoque na unidade. Nacionalmente, o Dia do Doador de Sangue é celebrado nesta quarta-feira (25).

A ação teve início nesta segunda (23) e acontece até a próxima sexta-feira (27). Durante toda a programação serão distribuídos brindes, lanches especiais e será feita a diplomação de doadores (para aqueles que tem entre 10 e 50 doações já realizadas).

Para facilitar o acesso neste período de pandemia, os agendamentos estão sendo realizados todos de forma virtual, através deste link.

A responsável pelo setor de captação de voluntários, Solange Assis, conta que a frequência dos doadores está fraca durante a pandemia. “Houve uma queda muito grande nas doações durante esse período. Os estoques de sangue estão abaixo do ideal, 55% a menos do esperado. O tipo de Sangue O+ principalmente”, explica.

Solange informa que todas as medidas necessárias foram tomadas para evitar a disseminação do coronavírus e para a doação segura. O uso de máscaras é obrigatório e os doadores não devem comparecer se apresentarem algum sintoma de resfriado ou gripe.

Os voluntários podem entrar em contato através do telefone (35) 3449-9900 para tirarem dúvidas e receberem orientações sobre a doação.

Quem pode doar

Podem doar pessoas entre 16 e 59 anos. Os jovens de 16 e 17 anos devem apresentar o termo de autorização de doação devidamente assinado pelo responsável legal. O modelo de autorização está disponível no site do Hemominas.

Horário de Funcionamento

As doações acontecem com hora marcada, no período das 07:15h às 11:30h e o agendamento deve ser feito online. O Hemocentro Regional de Pouso Alegre fica na Rua Comendador José Garcia, 846, Centro.

Categoria: Gente do Mandu

A psicóloga Maria Tereza de Andrade teve 921 votos, ficando à frente de três vereadores eleitos e entre os 15 candidatos mais votados na cidade. Só não entrou porque o partido não alcançou o quociente eleitoral. No dia da Consciência Negra, ela fala da luta por oportunidades.

Pouso Alegre nunca teve uma mulher negra como vereadora. Nas eleições do último domingo (15) isso esteve perto de mudar.

A candidata que chegou mais perto desse feito histórico foi Maria Tereza de Andrade. Ela teve um total de 921 votos, sendo a 15ª mais votada entre todos os 285 candidatos e tendo mais votos do que três dos 15 homens eleitos para a próxima legislatura.

A psicóloga, de 62 anos, só não conseguiu entrar para a Câmara Municipal de Pouso Alegre porque o Partido do Trabalhadores, pelo qual concorreu, não alcançou o quociente eleitoral para ter direito a, pelo menos, uma vaga.

Maria Tereza é membro do coletivo negro Raiz de Babobá. Nesta sexta-feira, dia 20 de novembro, quando é comemorado o Dia da Consciência Negra, a psicóloga fala da luta por oportunidades para as pessoas negras.

Confira trechos da entrevista em texto:

“Uma pena não ter sido eleita nenhuma mulher em Pouso Alegre. A tentativa era que tivéssemos, pela primeira vez uma mulher negra. Fomos quase. Mas ainda não conseguimos. Temos que caminhar mais, ir mais à frente. Por conta do quociente eleitoral, não conseguimos. Mas conseguimos uma grande expressão do nosso trabalho”, diz Maria Tereza.

“Temos um projeto de trabalho que vamos dar continuidade. Que fez com que as pessoas acreditassem e vissem que era um projeto pensando numa sociedade mais digna, mais honesta de se viver e numa cidade antirracista. A gente acredita que o racismo atrapalha qualquer forma de democracia, qualquer forma de desenvolvimento”.

Maria Tereza acredita que a votação expressiva que teve é um pouco da sociedade entender e valorizar a mulher, a pessoa negra.

“Tivemos muito apoiadores jovens, e outras idades também. Eu acredito que as pessoas estão tendo mais esse olhar, fazendo mais essa reflexão e, principalmente, a pessoa não negra, a pessoa branca, se colocando no lugar de privilégio que ela tem. Fazendo essa reflexão e tendo a consciência de que precisamos sim construir possibilidades.

“Precisamos de políticas públicas que reparem séculos de injustiça que a população negra teve, e que isso não contribui para cidade”.

“O desenvolvimento vai ficando mais acanhado. Quanto mais você segmenta o desenvolvimento apenas para as pessoas que são iguais a você, você setoriza e você não caminha. Precisa ampliar”.

“A gente tem milhares de pessoas negras que estudam, que trabalham, que produzem que têm condições de contribuir muito mais; de estar ocupando esses espaços de poder. Se a gente se fortalecer, juntos, a gente se torna um país insuperável”.

“Estamos no século XXI, quase 2021, e a gente ainda ouve frases como: ‘vocês reclamam muito’; ‘isso é muito mimimi’”.

“Você precisa olhar em volta. A gente precisa aprender a olhar o que está acontecendo ao nosso lado. Se você olhar apenas para você, não vai perceber isso. Olha para esses bolsões enormes de pobreza. Nós voltamos ao mapa da fome. E a maior parte das pessoas que estão no mapa da fome é a população negra”.

“A pandemia é mundial, mas no Brasil ela mostrou que quem mais sofreu com ela foi a população negra. São pessoas que não podem ficar em casa, fazer home office. São pessoas que precisam pegar ônibus, ir para as fábricas, ir para as faxinas na casa dos outros. As pessoas estão mais vulneráveis ao vírus. A pandemia escancarou a realidade que o país vive. Tem pessoas brancas, mas a maioria é a população negra”.

“Recentemente, teve o exemplo do Magazine Luiza que abriu edital apenas para jovens negros e as pessoas ficaram revoltadas. Sendo que, normalmente, quando existem essas vagas, elas são preenchidas, na sua maioria, por pessoas brancas. A pessoa tem condições, ela não tem é oportunidade”.

“O jovem negro termina ensino médio aí tem que correr atrás de trabalho.  A pessoa quer e precisa estudar, fazer faculdade. Mas, as vezes não tem na cidade onde mora ou ela precisa cuidar da família. Então, as oportunidades ainda são muito poucas. Nós precisamos evoluir muito. Precisamos sim de igualdade de condições para as pessoas para a gente conseguir melhorar, insisto nisso”.

“Na campanha eu dizia que a intenção era abrir caminhos. Não quero ser a única mulher negra a concorrer e entrar numa Câmara de Vereadores. Quero que venha outros. Mas a representatividade para gente conta muito. Porque a gente nunca teve muito isso”.

A gente teve Zumbi dos Palmares, comemorado hoje dia 20/11, que é uma representatividade de luta, de força, de batalha. E a gente precisa disso. Não quero ser uma heroína. Quero abrir caminhos para outra pessoa dizer que também pode ir, que há possibilidade”.

“Lutar a gente luta desde sempre, quando a gente veio trazido forçosamente para cá. A população negra sempre lutou. Isso não é novidade. Quanto mais você vai tendo essas possibilidades, mais pessoas vão dizer que vão lá. Temos várias jovens que estão nesse caminho, em busca de novos espaços. É para isso que a gente vai continuar lutando”, finaliza Maria Tereza de Andrade.

Categoria: Gente do Mandu

Na Ativa, as pessoas podem passar o dia ou parte dele. São diversas atividades físicas, artísticas e cognitivas para melhorar a qualidade de vida dos idosos. Veja vídeo abaixo e saiba como ‘Ativar’.

Casa tem vários espaços de convivência para lazer e descanso dos frequentadores. Foto: Divulgação/Terra do Mandu

Pouso Alegre acaba de ganhar um espaço que oferece a oportunidade para as pessoas idosas viverem com mais saúde e felizes. A Ativa é um Centro de Convivência com atividades físicas, cognitivas, artísticas e de socialização.

O Centro de Convivência nasceu do sonho de duas enfermeiras que sempre se interessaram pelo tema: o envelhecimento com qualidade de vida.

“Dentro das propostas de atividades e oportunidade de convivência, esperamos que o idoso que, muitas vezes, convive apenas com um cuidador em casa, venha para um espaço que vai lhe possibilitar a convivência com pessoas na mesma faixa etária ou com as mesmas situações vivenciais e assim possam usufruir de um momento de troca e atividade”, explica a enfermeira e diretora da Ativa, Tatiana Loiola.

“Para nós o mais importante é ver o resultado do trabalho. As pessoas saem daqui satisfeitas, pois se divertiam, se exercitam, se movimentam. Os familiares que estão acompanhando seus idosos manifestam satisfação com o atendimento. E é esse o nosso propósito”, afirma a enfermeira e diretora, Rosa Maria do Nascimento.

As atividades desenvolvidas na Ativa

A Ativa não é uma instituição de longa permanência, e sim um espaço pensado para a preservação de vínculo familiar, que é a sua referência, com foco no movimento, numa perspectiva dinâmica e lúdica.

Entre as atividades na Ativa têm o educador físico e o fisioterapeuta, que trabalham treinamento funcional, musculação, pilates, yoga, dança de salão e caminhada orientada.

Na área de criação, tem a musicoterapia, teatro e expressão corporal, o artesanato, pintura em aquarela, culinária e hortoterapia e jardinagem.

No campo cognitivo tem terapeuta ocupacional com estimulação cognitiva; desenvolvimento com neuropsicopedagogo e terapia em grupo com psicólogo. Há ainda aulas de inclusão digital, com informática e idiomas.

Tem os momentos recreativos com bingo, dança de salão e baile. Momentos mais espontâneos para que o idoso possa se sentir com autonomia e com atividade

“Ele pode chegar às 07h da manhã na Ativa e passar o dia fazendo atividades e tendo momentos de convivência. No final do dia, às 18h, encerra as atividades e ele retorna para casa. Dentro da proposta, ele tem todo um acompanhamento de saúde, refeições balanceadas e atividades no período em que está aqui”.

Uma das atividades é a dança, com alongamentos antes e depois. Foto: Divulgação

Espaços de convivência

Dentro da casa tem diversos espaços. Áreas de convivência; sala de TV e cinema; sala de leitura; espaços de descanso.

Na área externa tem mais áreas de convivência; espaços adaptados para facilitar a mobilidade. Contato como a natureza, dá para ouvir o canto dos pássaros. Tem ainda árvores frutíferas.

“A gente coloca que a Ativa é um centro de atividades que oferece um investimento à saúde. Ele não é um gasto à saúde. Quando a pessoa fecha um plano de atividades, ele está investindo na sua saúde. Ele está dando ênfase para que ele possa evitar o adoecimento. Tudo que a gente prima aqui dentro é a promoção da saúde”, reforça Tatiana.

Ambiente de convivência entre os frequentadores. Foto: Divulgação/Terra do Mandu

Experimente antes de fazer seu plano

Na Ativa, os interessados podem experimentar, de maneira gratuita, dois períodos de atividades. Quando decidir fechar contrato. Os planos variam de R$ 100 a R$ 2.600 dependo do que a pessoa pretende e se dependem de muitos profissionais ao logo do dia.

“Estamos diante de um momento de transição, onde as pessoas estão vivendo mais. Mas tem que viver mais com qualidade, com alegria, tendo a oportunidade de conviver com outras pessoas, de realizar atividades, em um ambiente bem adequado, propício. Isso tudo é muito importante para o envelhecimento saudável” diz Rosa Maria.

Depoimento

A aposentada Ana Maria é uma das frequentadoras da Ativa. Aos 68 anos, ela conta que sempre fez alguma atividade.

“Sempre foi ativa. Vim conhecer para ter mais uma atividade na minha vida. Sempre fiz pilates, sempre tive boa saúde. Movimentar-se é bom para saúde. Isso me dá vida. Aqui é um show. A casa maravilhosa, equipe maravilhosa. Nota mil”, acentua dona Ana Maria, que ainda conta que gosta de bordar, fazer crochê e de viajar. “Eu não parei. Continuo nas minhas atividades, sempre ativa”.

A professora de dança dos alunos da Ativa é a Luíza Furtado, que conta que eles são muito animados. “O espírito deles ainda é jovem. É isso que a gente trabalha; essa alegria, essa energia sempre positiva”.

“O exercício físico é indispensável em qualquer fase da vida. O que a gente quer é que esses idosos tenham uma vida ativa. Com isso, vai diminuir a ocorrência de doenças. Tira do isolamento. Então, é um benefício físico e psicológico. E a dança é algo qualquer pessoa pode fazer”, comenta a educadora física.

“Aqui são muitas possibilidades de realizar atividades com saúde e com cuidado, respeitando o distanciamento social que o momento exige”, finaliza Rosa Maria.

Endereço da Ativa

A Ativa – Centro de Convivência fica na Avenida Alberto Paciuli, número 92. Bairro Santo Antônio, próximo à igreja matriz.

Telefones de contato: 035 3025-8833 WhatsApp: 035 9.9936-8844

Foto: Divulgação/Terra do Mandu

Categoria: Gente do Mandu

Empresário faleceu em São Paulo, onde será o sepultamento. Causa da morte não foi divulgada pela família.

Além de Pouso Alegre, grupo tem lojas na grande São Paulo. Foto: reprodução Hipermercado Baronesa

O empresário Minoro Uehara, de 68 anos, dono do Hipermercado Baronesa, faleceu nesta quarta-feira (11), em São Paulo, onde estava hospitalizado. Até o momento, a família não divulgou a causa da morte.

A reportagem do Terra do Mandu entrou em contato com a gerência e o jurídico do Baronesa, que confirmaram a morte e que o velório está sendo realizado em São Paulo, onde será o sepultamento.

Funcionários e ex-funcionários do hipermercado fizeram postagens nas redes sociais lamentando o falecimento de ‘seu’ Minoro, tido como um empresário que valorizava seus colaboradores.

Com lojas na grande São Paulo, o empresário abriu o Hipermercado Baronesa em Pouso Alegre no ano de 1998. Nesses 22 anos de história, se tornou um dos principais centros de compras da região, atraindo comerciantes e famílias de cidades vizinhas a Pouso Alegre. Nem mesmo a vinda de lojas de atacarejo para a cidade, fez cair o fluxo de consumidores na unidade instalada pelo empresário no Sul de Minas.

Hipermercado foi inaugurado em 1998. Foto: reprodução Hipermercado Baronesa

Categoria: Gente do Mandu

Alunos de arquitetura fazem um levantamento dos danos existentes na fachada da centenária Capela de São Benedito, em Pouso Alegre. A igreja, que fica na Praça João Pinheiro, e é tombada pelo patrimônio histórico municipal, foi construída por escravos, no século XIX.

O trabalho dos alunos faz parte do projeto ‘Resgate da Memória e do Patrimônio da Cidade’. Iniciado no segundo semestre desse ano, o projeto envolve os alunos do curso de arquitetura e urbanismo da faculdade Una de Pouso Alegre.

“A ideia é fazer intervenções, oficinas de levantamento de dados e diagnóstico do patrimônio material e imaterial da cidade. Proporcionando, junto ao Conselho do Patrimônio, e toda comunidade, a situação real do que hoje temos como patrimônio aqui em Pouso Alegre”, explica o professor do curso e coordenador do projeto, Gustavo Reis Machado.

Aqui no Santuário Imaculado Coração de Maria, está sendo feito um levantamento de fotogrametria das imagens do Cristo na Cruz e do Santo Antônio Maria Claret. As duas imagens têm mais de um século que estão nessa igreja. Elas são inventariadas e tombadas pelo município.

O Cristo na Cruz, em gesso e madeira, tem 1,20 metro de altura. Já o Santo Antônio Maria Claret, também em gesso e madeira, tem 1,33 metro de altura. A imagem do fundador da ordem dos padres Claretianos, também conhecida como Congregação dos Filhos do Imaculado Coração de Maria, apresenta alguns desgastes do tempo.

“A ideia desse trabalho é gerar dados e documentos da real situação do patrimônio da cidade e, a partir disso, gerar caminhos, possibilidades tanto para o restauro das peças e prédios, quanto para melhoria desses patrimônios”, conta Reis.

O arquiteto Leandro Mizael Duarte é o instrutor da oficina de fotogrametria. Ele conta que essa é uma técnica bastante antiga, desde a fotografia analógica. Hoje utiliza-se câmeras digitais e celulares.

“A partir de fotos comuns, as bidimensionais do dia a dia, é possível construir um modelo tridimensional.  Nesse caso, sendo digital, vai para o computador, que pode ter diversos usos como documento, levantamento do patrimônio e poder intervir nele. Ajuda na preservação e na manutenção do patrimônio”, enumera o arquiteto.

São dezenas, centenas de fotos de cada monumento para criar um modelo 3D no computador ou para a tela do celular.

A aluna Laísa Peres, está no terceiro ano do curso. Ela conta que decidiu fazer arquitetura quando estava em frente a uma igreja.

“Eu sempre quis ter essa experiência da arquitetura de restauro. O que me trouxe para a arquitetura foi o desejo de trabalhar com a parte histórica. Decidi mesmo que queria ser arquiteta em frente a uma igreja para fazer isso, manter viva essa história. E fui me apaixonado por cada detalhe do curso”.

A previsão é que todo o levantamento feito pelos alunos e professores seja concluído no início de dezembro. No final do projeto, toda documentação técnica produzida será encaminhada para o Conselho do Patrimônio e Cultura de Pouso Alegre para tomar as providências possíveis de restauro ou reabilitar das edificações.

Categoria: Gente do Mandu

Campanha “Natal Solidário” será diferente neste ano em virtude da pandemia da Covid-19. Dentre os pedidos estão peças de roupas e itens de higiene pessoal.

Em tempos de pandemia do coronavírus, a 5ª edição da campanha “Natal Solidário”, que realiza arrecadação de presentes para idosos do Asilo Nossa Senhora Auxiliadora, neste ano será diferente.

O Natal que é um dos momentos mais aguardados pelos vovôs e vovós que residem no asilo. Mas neste ano, eles não terão a esperada festa e não receberão a visita e o carinho dos voluntários e do Papai Noel. Isso, pois, as visitas que antes da pandemia já não eram frequentes, estão suspensas desde março, pelo risco de contaminação pela Covid-19.

Esse é o 5° ano da Campanha Natal Solidário. Foto: Reila Inácio

Reila Inácio, uma das idealizadoras do projeto, conta que teve autorização de ir ao asilo, mas tudo foi feito com “frieza” e muita distância, tomando todos os cuidados possíveis, para anotar e registrar os pedidos dos velhinhos que residem no local.

Ela teve ajuda dos enfermeiros que perguntaram aos idosos o que eles queriam, enquanto anotava na lousa para fazer as fotos. A falta de contato direto e caloroso com os velhinhos foi um dos diferenciais nesse ano já que “eles gostam muito de abraçar, beijar, contar histórias”, explica a organizadora.

Os pedidos e como ajudar

A maioria dos pedidos dos idosos são coisas simples, como alguma peça de roupa, camisas, bermudas, calças, camisas de times, itens de higiene pessoal, como desodorante e prestobarba, pijamas, calçados, dentre outros.

Seu Regis, 76 anos, quer um pijama de presente. Foto: Reila Inácio

Veja aqui neste link as fotos dos pedidos

De acordo com Reila, mesmo que algum idoso já tenha sido apadrinhado, não tem problema em repetir os presentes, já que a maioria dos itens são coisas que eles precisam e serão utilizados durante todo o ano.

Os presentes podem ser levados na Avenida Dr. Lisboa, 198, sala 8, Centro de Pouso Alegre, até o dia  05 de dezembro. A entrega no asilo está prevista para acontecer no penúltimo domingo antes do Natal.

Dona Terezinha quer ganhar um tênis e um casaco de frio. Foto: Reila Inácio

Os idosos, que fazem parte do grupo mais vulnerável em caso de contaminação por coronavírus, receberão os presentes neste ano sem festa e sem Papai Noel. Mas não deixarão de receber o carinho dos voluntários, através do empenho em toda a campanha.

O grupo ainda arrecadará alimentos para que haja um almoço especial de fim de ano, com o cardápio escolhido pelos próprios velhinhos, com alimentos permitidos pela nutricionista. A lista será divulgada em breve no Facebook da Reila e você também pode contribuir.

Categoria: Gente do Mandu

Entrada da fábrica AdeS na Unilever – Foto: reprodução Unilever

A General Mills (dona das marcas Yoki, Kitano, Häagen-Dazs e outras no Brasil) deve assumir em breve a produção do suco AdeS da Coca-Cola Company. A Assessoria de Imprensa da General Mills confirmou que existe uma negociação em andamento, mas até o momento não revelou outros detalhes.

A reportagem do Terra do Mandu apurou que já estão sendo contratados funcionários para a nova linha de produção na General Mills.

Fábrica da General Mills em Pouso Alegre – Foto: Fernando Lincoyan

Segundo sites especializados em economia, a Coca-Cola adquiriu a marca AdeS da Unilever, no ano de 2017, pelo valor de US$ 575 milhões. A companhia passou a ser a única dona da marca que está presente no Brasil, México, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Chile e Colômbia.

A bebida à base de soja foi criada pela Bestfoods (incorporada pela Unilever no ano 2000), na Argentina em 1988 e foi importada ao Brasil em 1996 quando passou a ser testada. A receptividade dos consumidores que degustaram o produto foi decisiva para a concretização do lançamento nacional no ano seguinte, em 1997, quando foi iniciada a produção no país.

A Unilever continuou sendo a responsável pela fabricação do produto no Brasil até esse ano de 2020. Durante as negociações com a Coca-Cola, ficou acordado que a multinacional iria produzir a bebida pelos três anos após o fechamento do acordo.

Categoria: Gente do Mandu

Iniciativa envolve alunos e professores dos cursos de administração e direito da Una. VEJA VÍDEO REPORTAGEM ABAIXO!

O Centro Universitário Una acaba de lançar o Projeto Cidadania. Alunos dos cursos de direito e administração vão atender, sem custos, pessoas que precisam de orientações jurídicas e dicas para organização e planejamento familiar.

O professor Valdomiro Vieira, coordenador do Núcleo de Práticas Jurídicas da Una, explica que o projeto tem o objetivo de atender a comunidade, através de uma atividade de extensão.

“O público que necessita de informação, pode participar do núcleo de prática jurídica, através da atividade de extensão, para fazer consultas básicas daquilo que aflige o dia-a-dia dele dentro do campo jurídico e também no campo da gestão”, explica o professor.

Para os alunos dos cursos, o projeto é uma oportunidade para ajudar a população e ganhar conhecimento na prática.

Os interessados em ter o apoio nas áreas jurídica ou administrativapodem entrar em contato através do site Projeto Cidadania Una ou pelo whatsapp 035 99709-7117.

VEJA A REPORTAGEM ABAIXO:

 

Categoria: Gente do Mandu

Daniela Cristina da Silveira, de 39 anos, é um exemplo para tantas outras mulheres de como encarar o tratamento da doença. Ela virou estrela de campanhas de conscientização. VEJA O VÍDEO ABAIXO!

Rosto de Daniela estampa outdoor de campanha de conscientização. Foto: Arquivo pessoal

Chegou o mês de outubro. Quando é celebrado o ‘Outubro Rosa’, mês dedicado a compartilhar informações e promover a conscientização sobre o câncer de mama. O objetivo é proporcionar maior acesso aos serviços de diagnóstico e de tratamento e contribuir para a redução da mortalidade.

O Terra do Mandu traz um depoimento inspirador! A atendente de loja Daniela Cristina da Silveira está curada da doença. Ela conta como enfrentou cada etapa do tratamento. Sempre com o sorriso no rosto, Daniela se tornou exemplo de como encarar e vencer o câncer de mama (VEJA O VÍDEO ABAIXO).

O câncer de mama é o tipo de câncer mais comum entre as mulheres no mundo. No Brasil, a estimativa do INCA é que 66.280 desenvolverão esse tipo de câncer por ano, entre 2020 e 2022.

Categoria: Gente do Mandu

Com mais de meio-milhão de seguidores no Instagram, o professor Marcelo Rolim sentiu a necessidade de lançar seu livro de redação “escrever bem para o enem e vestibulares” e contou com o prefácio do jornalista e apresentador Luis Ernesto Lacombe.

No último dia 29, o professor Marcelo Rolim fez uma Live de Lançamento do livro “ESCREVER BEM PARA O ENEM E VESTIBULARES” em seu Instagram “@portuguesdicas”.  A live, contou com a presença do jornalista e apresentador Luís Lacombe, que fez o prefácio do livro.

Live ocorreu na noite desta terça-feira (29). Imagem: divulgação

O professor falou um pouco sobre as dificuldades que os alunos encontram ao escrever um texto dissertativo-argumentativo. Nesse tipo de texto, o aluno precisa entender a proposta de redação e defender uma tese por meio de argumentos, daí entra a necessidade de um bom repertório sociocultural. O livro traz técnicas e dicas de como estruturar um texto dentro do que é pedido no ENEM e nos grandes vestibulares.

Duas coisas são essenciais para escrever um texto: o que se deseja comunicar e a quem o texto será destinado, por isso é importante o aluno saber quais são os critérios de avaliação no Enem, isto é, como ele conseguirá a tão sonhada nota “mil”.

Livro Escrever bem para o Enem e Vestibulares – Manual de Redação

A redação, no Enem, é avaliada em cinco competências, cada uma valendo 200 pontos.  Uma delas diz respeito ao conhecimento que o aluno adquiriu em relação à norma-padrão, ou seja, as regras gramaticais. Não se pode construir um texto sem saber regras de concordância, colocação pronominal, vírgula, crase… Isso mesmo, a redação é um conjunto de conhecimento adquirido ao longo da vida estudantil. Por isso, no livro, são ensinadas técnicas passo a passo, desde a introdução até a conclusão.

Conheça um pouco mais sobre o professor Marcelo Rolim

Quem é o Professor Marcelo Rolim? 

Um cara que tem muita vontade de ensinar e aprender. Faz da melhor maneira possível o que se propõe, pois, hoje, acredita que suas ações e atitudes, de certa forma, refletem no comportamento de seus alunos. Sou formado em Letras pela Universidade Regional do Cariri/CE e Pós-Graduado em Gestão Estratégica de Negócios pela Faculdade Anhanguera, de São Paulo. Vim do interior do Ceará, de uma pequena cidade chamada Missão Velha, próxima a Juazeiro do Norte.

Seu perfil no Instagram tem mais de meio-milhão de seguidores. As pessoas estão mais interessadas pela Língua Portuguesa?

Comecei a colocar dicas de português no “Instagram” de forma despretensiosa… A quantidade de curtidas e mensagens foi crescendo de uma forma muito rápida, tomou a proporção de hoje. Vejo que as pessoas têm interesse pelo assunto, até por verem a língua como algo difícil, complexo.

Qual o seu próximo projeto?

Será inaugurado – em janeiro de 2021- o “ESPAÇO PORTUGUÊS DICAS” no centro da cidade de Pouso Alegre. Lá poderei ministrar cursos presenciais para Enem, vestibulares e concurso público.