Categoria: Cultura

Artigo escrito por Maristela Molina

Imagem desfile reprodução Pixabay

Os produtos do consumo de luxo têm uma função subjetiva de representação social, permite ao consumidor prazer pessoal, além da utilidade real de ser um “vestido”, desperta fenômenos simbólicos como prazer pessoal.

Os bens e serviços de luxo podem traduzir um estilo de vida, satisfação pessoal, posição social. Através da leitura sobre o comportamento exibido pelos indivíduos consumidores pode se reconhecer ou identificar sinais de poder, status e prestígio social.

Como o objetivo é atender um público seleto e não a massa, percebemos que nesse sentido, o preço elevado tem uma influência positiva sobre as percepções de luxo e da exclusividade da marca percebida, que por sua vez, pode transferir atitude positiva e desejo.

As marcas de luxo são tidas como capazes de aprimorar a apresentação de uma pessoa, tornando sua aparência mais sofisticada. A preocupação com a aparência pessoal é amplamente disseminada no universo do luxo.

Muitas pessoas entendem que a aparência pode auxiliar em projetos individuais de ascensão social ou aumentar a sensação de bem-estar e pertencimento a um grupo. Esses consumidores de luxo valorizam produtos que demonstram os cuidados estéticos que tomam com seu visual, corpo, vestuário e autoestima que possuem.

O uso de artigos de marcas consagradas e o acompanhamento das tendências internacionais de moda, além da habilidade e conhecimento necessários para saber admirar, valorizar e desfrutar de produtos de luxo com características de sofisticação que os consumidores valorizam e desejam ter reconhecidas em si.

O preço de um produto ou serviço pode ter grande influência em determinar a percepção de valor, e juntamente com a qualidade oferecida, o consumidor passa a optar por esses.

Para esses clientes, qualidade superior e preço elevado são parte do valor agregado ao consumo.

O produto acaba tendo mais influência no cliente do que ao contrário. Já as lojas que fazem a distribuição desses produtos, sejam marcas de produtos de beleza, vestuários, ou mesmo empresas de serviços, como hotéis, transportes, (etc…) precisam ter uma preocupação muito voltada para a qualidade do atendimento oferecido no momento da apresentação do produto, na venda e principalmente no pós-venda, uma vez que o produto em si já traz qualidade elevada.

As empresas precisam permitir ao cliente uma experiência agradável uma vez que a relevância do consumo está muito mais ligada a satisfação pessoal nos mistérios e significados visuais, emocionais e inclusive subliminares que envolvem este tema do que na necessidade de adquirir ou não.

Podemos observar que, para que o Marketing atinja esse nicho tão seleto, é necessário criar ou fomentar experiências e não somente despertar a necessidade de compra, mas sim o desejo de ter aquilo que se apresenta. Uma vez que a oferta pelos concorrentes de produtos similares aos seus é pequena, então sair na frente é demonstrar exclusividade, status, promover experiências de auto realização podem decidir quem fica no mercado ou não.

Imagem reprodução Pixabay

Elencamos aqui alguns valores que influenciam a compra nesses consumidores:

  1. “Exclusividade”, pode-se observar que o atributo de fundamental importância para o público selecionado. Destaca-se neste fator, que o atributo “Eu gosto de comprar luxo” e “Sinto-me atraída por luxo” são atributos correlacionados. Este resultado também é evidenciado na literatura, em geral, as empresas que atuam no mercado de produtos de luxo buscam uma estratégia de alto preço procurando dar a estes uma posição de exclusividade.
  2. “Exibição de Status”, percebe-se que o primeiro atributo exibe uma boa parte da influência, já os atributos “Alta qualidade” e “Conhecimentos Específicos” são características menos importantes para os clientes, o consumidor pode utilizar diversos métodos de avaliação entre eles: o preço, sentimentos, emoção, status e pela marca do produto, para realizar a escolha final do produto. Nesse sentido status é a posição na sociedade atribuída a um indivíduo por outros, sendo determinado por algumas situações como o reconhecimento social, conquista por uma característica de distinção de poder, saber, e por fim, o consumo de produtos que oferecem uma conotação simbólica de status. “Relação com sonhos e desejos” e “Acesso ao Luxo” expressam que alguns clientes não se sentem incluídos mesmo tendo acesso a produtos de marcas de luxo.
  3. “Influência Cultural”, apresenta variáveis ligadas diretamente com as influências e grupo pertencente do cliente, isso pressupõe que os produtos são livres para adquirir uma ampla variedade de associações e ilusões culturais, reforçando que o mercado de luxo é baseado em valores superiores e intrínsecos das mercadorias de altos preços. O consumo tornou-se meio de Auto Realização e identificação na medida em que os consumidores já não consomem produtos.
  4. “Experiência Individual”, observa-se que os atributos apresentam um grau de significância bem diferente um do outro, salvo o atributo “Relação com sonhos e desejos” que apresentou similaridade com “Acesso ao Luxo” pela sua importância, o consumidor pode de ver como “colecionador de experiências” sensitivas, emocionais ou estéticas, lúdicas ou de comunicação, em todo caso, de movimentos incessantes, como um jogo que tem em si próprio sua recompensa. Deixando para ele claro algumas das motivações de compra que o luxo ocupa no comportamento de compra ligado a seu emocional.
  5. “Auto Realização”, O cliente entende os atributos do produto como o seu próprio bem estar, desejo de expressar quem eu sou, sair da rotina, merecimento, compensação emocional. Em sua grande maioria, os artigos mais cobiçados pelas mulheres.

Para atingir esse público é muito utilizado o marketing de conteúdo, em que as empresas patrocinam influencers digitais. Já na televisão não se usa a aplicação para a venda em massa, então os canais de TV a cabo como exemplo HBO (etc…) são os utilizados para divulgação dos produtos de luxo. Além de participação em eventos sociais da alta sociedade.

“Podemos afirmar que o produto influencia muito mais o consumidor do que o consumidor influencia o produto”.


*Referências: http://www.bh1.com.br/administracao-de-marketing/marketing-de-luxo-versus-marketing-tradicional-exemplos-brasileiros/
*Materiais das aulas no ulife

Categoria: Cultura

Instituição oferece 19 cursos, como iniciação musical, canto, violão e guitarra. A novidade é que em 2021 não será exigido teste de aptidão. 

O Conservatório Estadual De Música Juscelino Kubitschek De Oliveira, em Pouso Alegre, vai abrir novas matrículas para cursos gratuitos de educação musical a partir da próxima segunda-feira (08). Segundo o diretor da instituição, Paulo Isaac, o conservatório oferece 19 cursos.

“Nós temos a iniciação musical, que é para crianças do primeiro ano de escola regular. Essas crianças terão musicalização, teatro e canto coral. E durante o ano letivo, serão realizadas oficinas para escolha de instrumentos a  partir do 2º ano”, afirma diretor do conservatório. Esse curso é voltado para crianças com seis anos ou mais.

Os cursos de instrumentos oferecidos pela instituição são: acordeon, bateria, clarinete, contrabaixo elétrico, flauta doce, flauta transversal, guitarra, percussão, piano, piano popular, saxofone, trompete, teclado, viola caipira, violão, violino e violoncelo.

Seleção e inscrição

A novidade é que em 2021 a seleção de alunos será diferente dos anos anteriores. Isso porque o conservatório não exige mais teste de aptidão. Agora, de acordo com Paulo Isaac, serão adotados os seguintes critérios:

  • Segunda-feira (8): Crianças de 6 a 9 anos (vagas manhã e tarde)
  • Terça-feira (9): Estudantes a partir de 10 anos de escolas estaduais (vagas manhã, tarde e noite)
  • Quarta-feira (10): Estudantes a partir de 10 anos de escolas municipais (vagas manhã, tarde e noite)
  • Quinta-feira (11): Estudantes a partir de 10 anos de escolas particulares (vagas manhã, tarde e noite)
  • Sexta-feira (12): Demais interessados (vagas manhã, tarde e noite)

As senhas para as matrículas serão distribuídas de duas formas, pelo site do conservatório ou na secretaria da instituição. Vale destacar, no entanto, que última opção é voltada apenas para aqueles que não tem acesso à internet. Por isso serão distribuídas apenas 30 senhas por dia.

Os alunos que retiraram a senha, de forma online ou presencial, terão que apresentar cópias da Certidão de Nascimento, Certidão de Casamento, RG, CPF, comprovante de residência e comprovante de escolaridade. Se possível, o conservatório pede que o estudante também leve uma foto 3×4.

“Estes documentos devem estar em envelope lacrado com as seguintes informações na parte externa: nome, telefone de contato, email e código gerado pelo sistema. Esse envelope deve ser entregue no conservatório – R. Francisco Sales, 116, Centro – durante o mês de fevereiro”, afirma o diretor da instituição.

A documentação deve ser entregue na segunda e quinta, de 13h às 17h, ou na terça, quarta e sexta, das 08h às 12h. Vale destacar que estudantes já matriculados em 2021 não poderão efetivar nova inscrição.

Categoria: Cultura

Projeto foi aprovado ontem (02) pelos vereadores a pedido da administração municipal em virtude do aumento do número de casos de Covid-19

Carnaval 2020 teve sete blocos nas ruas de Pouso Alegre. Foto: Terra do Mandu

Está definido. Pouso Alegre não terá o feriado de Carnaval em 2021. Os vereadores aprovaram, nesta terça-feira (02), durante a primeira sessão ordinário do ano, o projeto de lei que cancela o ponto facultativo existente durante o período de Carnaval no município. Com isso, todas as repartições públicas municipais terão expediente normal.

O projeto aprovado na Câmara já subiu para ser sancionado pelo prefeito Rafael Simões (DEM), de onde partiu a proposta, devido ao número de casos da Covid-19 na cidade. Uma lei municipal de 2011 estabelece que é ponto facultativo no município a segunda-feira de Carnaval, a terça-feira de Carnaval e a quarta-feira de Cinzas, até às 14h. O projeto aprovado ontem suspende essa opção de feriado.

Proíbe festas, eventos em sítios ou qualquer atividade de Carnaval

Também ficou proibido em Pouso Alegre a realização de eventos de carnaval em ruas, casas de festas, bares, clubes, restaurantes, chácaras, sítios e locais similares. O texto reforça a proibição de quaisquer festas, blocos carnavalescos ou eventos de pré-carnaval, em ambientes abertos ou fechados, promovidos por iniciativa pública ou particular, no período em que seria celebrado o carnaval de 2021, entre o dia 12 a 17 de fevereiro, com o intuito de evitar aglomerações e disseminação do novo coronavírus.

Quem desobedecer a regra, estará sujeito ao fechamento do estabelecimento, com cancelamento de seu alvará.

A justificativa do projeto é mesmo para evitar a disseminação dos casos da Covid-19, seguindo o que já foi aprovado por outros municípios e decretado pelo Governo de Minas.

“É de todos conhecida a grave situação de emergência internacional de saúde pública decorrente do novo coronavirus, bem como a importância de que sejam evitadas as aglomerações de pessoas para prevenção do contágio e contenção da propagação daquela infecção viral (Covid-19)”.

“Nessa senda, o cancelamento do ponto facultativo no serviço público municipal e a proibição das festividades no período em que seria comemorado o carnaval de 2021, isto é, de 12 a 17 de fevereiro, revelam-se medidas necessárias para desestimular a ocorrência de eventos que possam interferir negativamente no combate à pandemia”, diz o texto do projeto.

Categoria: Cultura

Cine A volta a funcionar todos os dias com ocupação máxima de 40% e adoção de medidas para evitar o contágio e transmissão da Covid-19. 

Os cinemas em Pouso Alegre podem reabrir a partir deste terça-feira (02). De acordo com decreto publicado pela Prefeitura Municipal na segunda-feira, 1º de fevereiro, eventos públicos e privados podem funcionar desde que tenham protocolo sanitário aprovado pela Vigilância Sanitária Municipal.

No Cine A, por exemplo, haverá sessões todos os dias, mas com adoção de medidas para evitar o contágio e transmissão da Covid-19. O gerente da rede em Pouso Alegre, Antônio Alves Taveira, explica que as salas de cinema poderão ter ocupação máxima de 40%, respeitando o distanciamento social entre as poltronas.

O uso de máscara é obrigatório para clientes e funcionários. Além disso, outras medidas também estão sendo adotadas para garantir a segurança do público. “Todas as pessoas quando chegam na entrada da fila já é medida a temperatura e também é feito a higienização das mãos. E temos álcool em gel nas salas”, afirma o gerente.

Sobre o consumo de alimentos no cinema, Antônio explica que só poderá ser feito dentro das salas, após a pessoa se acomodar na poltrona. Outra orientação é que a saída das sessões seja realizada de fileiras por fileiras, evitando qualquer tipo de aglomeração.

Reabertura dos cinemas

O Cine A vai funcionar todos os dias, mas as sessões podem mudar, já que a programação é redefinida todas as quintas-feiras. Interessados podem acompanhar os horários pelo site da empresa. Nesse momento estão em cartaz os seguintes filmes:

  • Sapatinho Vermelho e os Sete Anões;
  • Mulher Maravilha 1984;
  • Pinóquio;
  • Trolls 2;
  • Legado Explosivo.

O Terra do Mandu também entrou em contato com a rede Cineart, mas ainda não há previsão para a retomada da programação aqui em Pouso Alegre.

Demanda

Antes do fechamento do cinema, em 15 de janeiro de 2021, o público estava voltando a frequentar as sessões. “Nós viemos em uma crescente. Nós reabrimos da outra vez em outubro, e sistematicamente, semana após semana, nós notamos a confiança sendo retomada. Então quando encerrou dia 15 de janeiro, a gente já estava com um público muito bom vindo ao cinema”, afirma o gerente do Cine A.

REPORTAGEM EM VÍDEO:

Categoria: Cultura

Inspirada em grandes autores da literatura brasileira, como Manuel Bandeira e Guimarães Rosa, Joana Izabel expressa seus sentimentos em palavras. Ela também escreveu uma poesia sobre a pandemia da Covid-19. VEJA A ENTREVISTA ABAIXO.

A diarista Joana Izabel de Souza acaba de publicar seu primeiro livro de poesias em Pouso Alegre, Sul de Minas. A própria Izabel classifica sua vida como muito sofrida, infância muito difícil em Araçuaí, no Vale do Jequitinhonha. As memórias da infância e da família são fontes para seus poemas, cheios de saudade, melancolia. Essa foi a forma que ela encontrou de expressar em palavras seus sentimentos, que agora fazem parte do livro ‘Izabel entrelinhas’.

Izabel teve pouco estudo. Frequentou a sala de aula até a 4ª. Com uma família grande, teve que trabalhar desde criança para ajudar em casa. Depois, casou-se muito cedo, vindo os filhos, tornando-se impossível dar continuidade aos estudos em sala de aula.

Até hoje, Izabel se dedica a cuidar das casas de outras famílias. Ela trabalha de diarista, faxineira, faz comida em casas de família e outros serviços domésticos para ganhar a vida.

Mesmo sem as oportunidades de seguir nos estudos ou fazer uma faculdades, Izabel não abandonou o sonho de escrever. “Eu sempre tive imaginação para poder escrever. Quando percebi que tinha jeito para escrever, comecei a estudar sozinha, buscar conhecimento nos livros; manter em dia com a língua portuguesa; procurar ler, ler ler muito mesmo”, conta.

A diarista explica que as poesias saem dos momentos tristes, e das lembranças do passado. “Sempre que estou triste, que acontece alguma coisa na minha vida, eu escrevo”.

As inspirações para as poesias são os grandes escritores brasileiros Manuel Bandeiras e Guimarães Rosa, dos quais ela já leu todas as obras.

Izabel tem uma história inspiradora. Mesmo diante de tanta dificuldade, não abandonou seu sonho. Mesmo sem os estudos regulares de uma escola ou uma faculdade, buscou conhecimento sozinha, através de livros e mais livros.

Veja uma das poesias presentes no livro. A publicação foi organizada por uma publicitária, que Izabel ajudou a criar e se tornou uma amiga da diarista. Os interessados em adquirir o livro ‘Izabel entrelinhas’ basta procurar no ‘Clube dos Autores’

“Se visse como vi

A roça do sossego

Meu pai chegando

Bala trazendo

Esperança nascendo

Se visse como vi

Meus irmãos brincando

Minha irmã chegando

 

Da roça mudando

E saudades levando

Se visse como vi

Meu pai partindo

Minha mãe partindo

O tempo passando

 

E a saudade crescendo

Se visse como vi

O passar do tempo

A vida de lamento

Silêncio da ausência

E a perda da inocência.

Se visses, mas não viu”

 

Categoria: Cultura

Mulheres empreendedoras se unem para debater a importância da valorização do corpo real e do autocuidado para saúde mental e física. 

A maquiadora e fotógrafa Mariana Loyola, de Pouso Alegre, criou a campanha Verão Real, com o intuito de alertar as mulheres sobre os males da busca pelo corpo perfeito. A ideia de criar o projeto nasceu após Mariana se libertar de um distúrbio psicológico.

Ela conta que sempre lutou com a balança e por um biótipo corporal que não era o seu. Hoje, por meio do seu trabalhado, ela busca orientar o público feminino para a “beleza que realmente importa, a que vem de dentro”, afirma.

Para isso, a fotografa convidou duas mulheres empreendedoras, que se sentem bem com o corpo que tem, para fazer um ensaio fotográfico com roupas de banho e mostrar a beleza natural de cada uma.

Durante a campanha, esse grupo de mulheres discutiram sobre os males que o culto à beleza a qualquer preço pode causar, como danos emocionais e distúrbios alimentares. Além disso, também abordaram a importância do autocuidado na vida de cada uma.

Categoria: Cultura

Mais de 100 pessoas do setor cultural de Pouso Alegre foram beneficiadas com o auxílio financeiro através da Lei Aldir Blanc. Os valores distribuídos para 34 propostas artísticas variaram entre R$ 2 mil até R$ 8,5 mil, para músicos, grupos de teatro, artesãos.

Além dos profissionais das artes, 23 espaços que realizam eventos também puderam solicitar e receber o auxílio, com valor máximo pago de R$ 20 mil.

A superintendente de Cultura de Pouso Alegre, Regina Franco, explica que a lei é federal e coube aos municípios regulamentar e fazer a distribuição dos recursos (VEJA REPORTAGEM EM VÍDEO ACIMA).

Um dos artistas beneficiados com o auxílio foi José Saulo, o ‘Menino Bailarino’. José Saulo tem 10 anos. Ele mora com a família no bairro São Geraldo e se interessou pelo ballet aos três anos, vendo vídeos no YouTube. Entrou na escola em Pouso Alegre aos 6 anos, depois já passou na prova para ser aluno do Teatro Municipal de São Paulo.

Em contrapartida aos valores recebidos, os beneficiados realizaram apresentações musicais, teatrais, de dança, além de cursos e livros virtuais de acesso gratuito à população (CONFIRA ALGUNS PROJETOS ABAIXO).

LEI ALDIR BLANC

A Lei Aldir Blanc foi criada com o intuito de garantir auxílio emergencial para trabalhadores da cultura e manutenção dos espaços culturais durante o período de pandemia da Covid-19.

CONFIRA AS PROPOSTAS ARTÍSTICAS JÁ REALIZADAS:

Concerto Popular

Concerto de música popular, em vídeo gravado.

Executada por: Rodolfo Guilherme, Roger de Assis e Juliano Buosi.

Convidado: Tom Camilo

Banda LaryKay Live Show

Show com a banda LaryKay, em transmissão ao vivo.

Executada por: Edvam Palma da Silveira, Larissa Fernanda Fonseca, Welderney Samuel Rodrigues dos Santos, João Paulo da Silva e Lucas de Souza Lins.

Convidados: Lucas Allyson dos Santos, Lara Cristina Maciel e Andrezza de Olveira Lins.

Entre Domingos e Gonzagas

Show tributo a Dominguinhos e Gonzagão com o grupo de forró “Agúia no Paêiro”.

Executada por:  Matheus Macêdo, Wesley Augusto, Rodrigo Faria e Paulinho Pankeka.

Convidado: Sáder Carvalho

Show de Jazz e Música Brasileira Gravado

Show de música instrumental dentro do universo jazzístico, com a presença de improvisação, em vídeo gravado.

Executado por: Sandro Nogueira e Zé Eduardo Nazário

Convidado: Rodolfo Guilherme

Menino Bailarino: Natal Encantado  É Tempo de Semear

Videoclipes do bailarino mirim José Saulo, trazendo mensagens de esperança, otimismo e reencontro.

Executado por: Simone Cristina

> Concerto Instrumental – Jazz e Música Brasileira

Show de música instrumental dentro dos gêneros Jazz e música brasileira, em vídeo gravado.

Executado por: Zé Eduardo Nazário, Rodolfo Guilherme e Sandro Nogueira.

Suíte das árvores: repertório para viola caipira instrumental de Zé Helder

E-book com partituras e material didático para viola caipira.

Executado por: Zé Helder e Mariana Sayad.

Categoria: Cultura

Foto: Ascom prefeitura

Com o aumento de casos de coronavírus em Pouso Alegre e para evitar aglomeração de pessoas, o Hotel Marques Plaza cancelou a tradição queima de fogos que há mais de 20 anos é marca registrada do Réveillon no município.

Segundo o gerente geral do hotel, Luiz Gustavo Muniz Barbosa, a decisão foi tomada a fim de evitar a propagação do vírus em caso de aglomeração de pessoas na Avenida Tuany Toledo, no bairro Fátima I. “É com pesar que tomamos essa decisão, mas necessária para ajudar no combate ao coronavírus”, afirmou Luiz Gustavo.

O gerente ainda informou que o hotel entrou em contato com a prefeitura de Pouso Alegre e após receber as orientações preferiu não realizar o tradicional show pirotécnico.

Na última virada de ano (2019-2020) mais de 20 mil pessoas acompanharam os shows promovidos pela prefeitura na Avenida Tuany Toledo.

Foto: ASCOM PMPA

Categoria: Cultura

Pelo menos, 12 árvores de avenida da capital mineira receberam a arte produzida por artesãos de Inconfidentes, numa ação desenvolvida pela Cemig.

Tronco de árvore revestido com crochê. Foto: Cemig/Divulgação

A beleza e a arte do crochê de Inconfidentes, no Sul de Minas, enfeitam o Natal de Belo Horizonte. Árvores de uma avenida na região centro-sul da capital foram ornamentadas com o tear dos artesãos sul-mineiros.

A decoração especial foi realizada pela Cemig, numa forma de falar de sustentabilidade e valorizar a cultura mineira. Ao todo, 12 árvores receberam a arte dos moradores de Inconfidentes, que tem tradição na produção e comércio de roupas e acessórios do tecido.

Em seis árvores, onde predomina a cor verde, foram utilizadas 28 peças de crochê, entre elas, toalhas, forros de bandeja, caminhos de mesa e sousplat. Cerca de 400 sousplat de cores variadas recobrem outras seis árvores. As bolas foram envelopadas com crochê, complementando o encanto da decoração. Os trabalhos iniciaram em novembro deste ano e toda a instalação ficou pronta em 19 dias.

O crochê de Inconfidentes também fez parte da decoração natalina na sede da empresa, complementando a beleza das peças do presépio feito por artesãos do Vale do Jequitinhonha.

Crochê de Inconfidentes no Natal de BH. Fotos: Cemig/Divulgação

Capital Nacional e Patrimônio Cultural do Estado de Minas Gerais

O jeitinho habilidoso de fazer o Crochê de Inconfidentes é reconhecido como Patrimônio Cultural do Estado de Minas Gerais, e a cidade é conhecida como a Capital Nacional do Crochê.

O Crochê chegou em Inconfidentes com os imigrantes. Enquanto os homens trabalhavam na lavoura, as mulheres faziam crochê em casa. Com o passar do tempo, o crochê passou a ser uma nova fonte de renda para as famílias e acabou se tornando negócio.

Hoje, Inconfidentes tem a indústria e o comércio fortalecido pelas empresas deste ramo, com a fabricação de linhas e a venda por atacado e varejo das peças feitas à mão por muitas crocheteiras, que usam tanto a linha de seda, quando a de barbante.

A indústria têxtil é a principal atividade econômica do município. Com pouco mais de 7 mil habitantes, cerca de 80% das residências têm alguma pessoa que faz crochê, segundo a prefeitura.

Há as grandes empresas que trabalham com vendas no atacado. Tem ainda as famílias que trabalham em casa ou em suas próprias lojas produzidos peças em tear, bordados e o artesanato em crochê.

Crochê de Inconfidentes no decora o presépio na sede da Cemig. Foto: Cemig/Divulgação

Categoria: Cultura

Artesãos de Pouso Alegre e região se uniram e criaram o espaço ‘Nós de Minas’. A loja colaborativa reúne mais de mil itens feitos à mão, por cerca de 20 artesãos. Tem artigos para decoração de ambientes, acessórios, roupas, bolsas, cartões e papelaria personalizada. Tem ainda o espaço do café e da cachaça artesanal.

A artesã idealizadora do espaço, Suzana Pereira, conta que o objetivo é valorizar o artesão local e sua produção. O espaço também surgiu da deficiência de ter um lugar para expor os produtos para venda.

“As pessoas locam um espaço na loja e expõem os produtos. A gente faz toda curadoria e divulgação das peças. Tudo feito com amor; para quem quiser vir conhecer e presentear com algo diferenciado”, conta.

O local funciona como uma galeria. Foto: Terra do Mandu

“Sempre falo que aqui é uma loja e mil amores. Porque aqui são peças feitas à mão, valorizando o artesão e com mil produtos. E acho que temos que valorizar o local neste momento de pandemia”, destaca Suzana.

Paulo, marido da Suzana, atuava como técnico em telecomunicações. Depois de uma crise de ansiedade, se tornou artesão do crochê. Em poucas horas de trabalho, ele produz peças como essas: tem o sapo, o coelhinho, o macaquinho…

Após uma crise de ansiedade, Paulo se tornou artesão no crochê. Foto: Terra do Mandu

Marcela, uma das artesãs que expõem seus trabalhos para serem comercializados na loja, conta que a loja colaborativa foi uma ótima opção, pois a venda dos itens personalizados de papelaria é a sua única fonte de renda. “Nem todo mundo tem condições de montar uma loja, aqui nós pagamos um valor simbólico e podemos deixar os produtos expostos e vender.”

No local, as pessoas vão encontrar peças que custam entre R$ 15 e R$ 200. A loja Nós de Minas fica na Rua Santo Antônio, número 108, no Centro. E funciona de segunda a sábado, das 09h às 18h.