0

Luta contra o racismo: Aranha lança livro sobre a vida do negro no Brasil

‘Brasil Tumbeiro’ é o primeiro livro do ex-goleiro, atuante no combate ao racismo desde antes do episódio das ofensas sofridas em 2014

Magson Gomes
25/07/2021

Desde que encerrou a carreira de goleiro de futebol, em 2018, Mario Lúcio Duarte Costa, ou apenas Aranha, se dedica, exclusivamente, ao trabalho que já desenvolvia nos tempos de atleta: o combate ao racismo contra os negros. Entre palestras e lives, Aranha acaba de lançar seu primeiro livro sobre assunto.

O tema escolhido para a publicação é uma nova perspectiva da história dos negros no Brasil. O título do livro é ‘Brasil Tumbeiro’ (editora Mostarda), que se contrapõe ao termo usado na época em que os negros eram trazidos em navios da África para a América, principalmente, para o Brasil.

“A gente se acostumou a ouvir navio negreiro. E isso me incomoda porque passa a impressão que aquele navio era para transportar negros. E não. Era para transportar mercadorias. E tumbeiro era mais apropriado. Naquela época, algumas pessoas já usavam esse termo porque, do contingente que vinha da África, metade ou mais da metade acabava morrendo. Era um volume muito grande de pessoas que morriam. Então, se remetia mais a uma tumba”, conta Aranha.

VEJA A ENTREVISTA DE ARANHA AO MANDU NEWS:

Conteúdo do livro

No livro, Aranha faz uma relação entre o passado da escravidão com o Brasil atual, onde se ‘tem morrido muito negros’. Ao mesmo tempo que fala de heróis e heroínas negros da história do país; da importância de existir exemplos em todas as áreas profissionais para estimular as novas gerações.

“A princípio, seria um livro somente escolar. Eu tinha a ideia de trazer para o aluno e para o jovem, a participação negra na história do Brasil para que, nas aulas, quando o assunto foi sobre a escravidão, não fosse uma aula vergonhosa para quem está ali ensinando, e que não fosse uma coisa humilhante, desagradável para quem estava aprendendo”, explica o autor.

“A gente sempre estudou e aprendeu a história do Brasil, principalmente a parte da escravidão, como se os negros só fizessem parte de uma modalidade. Como se eles fossem escravos e, num belo dia, a princesa Isabel acordou e decidiu acabar com tudo e libertar todos os negros. E não foi bem essa a história. Então, eu procurei contar de uma maneira mais justa essa história da escravidão, como ela começa, como ela chegou no Brasil. Como ela se desenvolveu e terminou”, narra.

A importância das referências

Aranha lembra que o Brasil tem grandes personagens negros na sua história, que poderiam servir de exemplos, espelho, e mostrar para os jovens que não é só na arte, só no futebol que existe oportunidade.

“Se no pior período para ser negro, no período da escravidão, tivemos engenheiros, médicos, advogados, escritores… porque hoje, que as coisas estão mais fáceis, a gente não tem esses grandes exemplos, não tem uma grande maioria nessas áreas? Se você não tem exemplos, referências, como é que você vai se estimular em ser alguma coisa que nem passou pela sua mente, que você julgava uma coisa impossível?”, questiona.

O próprio Aranha, que nasceu e cresceu no bairro São João, periferia de Pouso Alegre, no Sul de Minas, não teve referências para seguir uma carreira que não fosse no futebol, como muitos jovens que saem das periferias para buscar vencer no esporte ou na arte.

“Eu nunca pensei em ser um advogado, um médico, um engenheiro. Nunca tive estímulo para estudar. E nem a minha família me cobrava isso. Porque ninguém, próximo da nossa realidade, chegou a ser. Porque nós seríamos? Então, o exemplo vem daí”, destaca.

Racismo no futebol: Episódio de 2014

Aranha encerrou a carreira em 2018 no Avaí, time de Santa Catarina. Passou por Ponte Preta, Joinville, Palmeiras, Santos e Atlético-MG. Quando estava no Santos, ele viveu um dos mais marcantes episódios de racismo no futebol brasileiro.

Em 2014, numa partida contra o Grêmio pela Copa do Brasil, parte da torcida do time gaúcho começou a emitir sons de macaco quando Aranha pegava na bola. As câmeras da televisão flagraram as ofensas racistas e o clube de Porto Alegre foi punido com a exclusão da competição.

Aranha já trabalhava para combater o racismo contra os negros. Após o episódio de 2014, ele passou a ter ainda mais voz sobre o assunto. “A grande mídia, principalmente, começou a me dar atenção e espaço para falar de outras coisas que não fosse sobre futebol, sobre o esporte, sobre a minha carreira. E, quanto mais eu falava, mais gente interessada em ouvir aparecia”.

Prêmio Direitos Humanos

A luta contra o racismo e pela igualdade deu a Aranha o reconhecimento do Governo Federal, em homenagem entregue pela então presidente Dilma Rousseff. O ex-goleiro, campeão da Libertadores, considera o troféu do ministério dos Direitos Humanos como um dos maiores títulos da vida e da carreira.

Mário Aranha reforça que não existe outra maneira de resolver um problema que não seja falando e debatendo sobre ele. O autor de Brasil Tumbeiro ainda cita que não tem como combater, firmemente o racismo no Brasil sem magoar alguém.

“Direta ou indiretamente, quem não é negro acabou levando uma vantagem. Enquanto os negros eram proibidos de estudar, outras pessoas, filhos de fazendeiros, ganhavam bolsas em universidades. Então assim, teve todo esse lance em que muitas coisas refletem hoje. Um tema muito complicado que os próprios negros não gostam de tocar, de debater porque acaba magoando alguém. Mas hoje é necessário. Como disse, não tem como resolver um problema, sem discutir, sem falar sobre ele”, finaliza o ex-goleiro.

Aranha recebe prêmio dos Direitos Humanos do Governo Federal, em 2014. Foto: Arquivo pessoal

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.