0

Costureiras voluntárias produzem máscaras para serem trocadas por alimentos

Magson Gomes
20/04/2020

Objetivo é montar cestas básicas que serão doadas a famílias carentes do bairro São Geraldo, que concentra maior número de pessoas em situação de vulnerabilidade social. Veja como fazer a troca.

Um projeto social criado por moradores do bairro São Geraldo, em Pouso Alegre, está produzindo máscaras para serem trocadas por alimentos que serão doados a famílias carentes. O projeto ‘Meninos para a Nação’ atende 180 crianças e adolescentes com cursos, práticas esportivas, dança e outras artes. Mas, nesse período de pandemia do novo coronavírus o foco teve que mudar, como conta a idealizadora da ação, Simone Cristina.

“O foco nosso não é cesta básica. Mas com essa urgência, sabendo que muitos pais de família, pedreiros, diaristas, os catadores de reciclados não estão conseguindo colocar comida na mesa, então nós vimos a necessidade de trabalhar para o próximo”, explica Simone.

Antes de iniciar a produção das máscaras, o projeto conseguiu 40 cestas básicas. Para não ficar pedindo os alimentos a possíveis doadores e aumentar a capacidade de arrecadação, surgiu a ideia da opção de troca.

Amigos e padrinhos doam o tecido e o elástico. Costureiras voluntárias produzem as máscaras. Nesta casa são três costureiras ajudando no projeto. Dona Maria do Carmo, de 62 anos, que costura desde os 12 anos de idade, e as filhas Vanessa e Regiane.

Regiane Oliveira tem uma loja de costura e aviamentos e já estava produzindo máscaras para vender. Agora, parte da produção vai para o projeto social.

“Agora é hora de a gente olhar para pessoas que nunca precisaram. Essas pessoas estão sem serviço e não estão acostumadas a pedir. É hora de olhar para dentro de tua casa e ver quem está precisando. A sensação de poder ajudar é muito boa porque, graças a Deus, a gente tem. Se a gente pode dividir um pouquinho que a gente tem é muito importante nesse momento”, diz Regiane.

Pontos de troca

As máscaras produzidas pelas costureiras voluntárias estão disponíveis nos salões de beleza Maria Bonita, no Centro de Pouso Alegre. A pessoa pode levar um valor mínimo de R$ 5 em alimentos e trocar por uma máscara.

“O pessoal traz um quilo de alimento e leva uma máscara. Com isso, a gente pretende arrecadar 40 cestas básicas para ajudar o projeto no São Geraldo. Tem muitos pais e mães de família desempregados e agora é o momento que um pouquinho que você dá já ajuda. No final, a gente consegue juntar e ajudar todo mundo”, diz a empresária Darlene Braga, que ofereceu os pontos de troca.

O bairro São Geraldo tem mais de 4 mil famílias e concentra o maior número de pessoas em vulnerabilidade social de Pouso Alegre. Uma realidade que se agravou com a pandemia da Covid-19.

“Por comida na mesa para uma família que tem quatro ou cinco filhos já era difícil. Imagina agora sem o trabalho. Porque nós fomos pegos de surpresa. Essa diarista chegou para trabalhar e não tinha emprego mais. Esse pedreiro que trabalhava a semana inteira para fazer a cesta para a família não tinha mais esse emprego. Nós trabalho [social aqui] é muito pequeno. Mas se todo mundo aí no seu bairro começar olhar para o vizinho e ver a necessidade, e ele pode ajudar o próximo, a gente pode fazer a diferença um pouquinho na vida do outro”.

Quem quiser fazer doações diretas, pode contribuir também. Simone explica que é feita uma triagem e as cestas básicas chegam nas mãos de quem realmente precisa. O doador, se quiser, pode acompanhar a entrega.

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.