Empresas demonstram interesse em fazer estudo para aeroporto de cargas

Em junho prefeitura anunciou retomada do projeto que já havia passado por todo esse processo e aprovado em Brasília, mas não surgiram empresas interessadas na licitação de construção.

Três empresas manifestaram interesse em fazer novo estudo para construção do aeroporto internacional de cargas e passageiros em Pouso Alegre. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (18), pelo prefeito Rafael Simões (PSDB) e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Dino Francescato, durante entrevista coletiva.

“São empresas que têm conteúdo, renome internacional e, portanto, mostrando que há um interesse efetivo na construção do aeroporto”, afirma Dino Francescato

No mês passado, a prefeitura abriu um Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) que estabeleceu normas para convocar empresas interessadas em realizar os estudos que vão nortear o edital de concorrência pública para a concessão do aeroporto de internacional de cargas.

Entre as mudanças em relação ao projeto anterior, será apontada uma nova área para a construção do aeroporto na área rural de Pouso Alegre e o prazo de concessão para a empresa vencedora da licitação será de 50 anos. “O aumento do prazo de 30 anos para 50 anos torna o projeto muito mais rentável do ponto de vista econômico. Acreditamos que vamos ter mais empresas interessadas em participar da licitação e da construção do aeroporto”, explica o secretário.

Ouça a entrevista com o secretário:

Prefeito fala que novo estudo não terá custos para o município e que nova proposta é mais atrativa para viabilizar a instalação do aeroporto de cargas

 Para o prefeito Rafael Simões a participação de três grandes empresas no novo estudo demonstra a viabilidade da proposta de ter um aeroporto internacional de cargas e passageiros em Pouso Alegre. “É uma cidade bem posicionada geograficamente. Já possui empresas com produtos agregados que demandam utilização do transporte aéreo. E isso será um marco para Pouso Alegre”, afirma.

Entre essas empresas interessadas no novo estudo está a BSquare, que em 2013 surgiu como a empresa que iria construir o empreendimento no município. (Foto: Divulgação Bsquare)

O novo estudo prevê um custo de até R$ 4,5 milhões. Mas a empresa que ganhar a concessão de construção e exploração do aeroporto, inclusive com a compra do terreno, e que fará o pagamento desse estudo. “O escopo que foi dado a essa nova tentativa de instalação do aeroporto é sem nenhum custo para o município. Por isso que nós optamos pelo PMI, afirma o prefeito Rafael Simões.

Para o prefeito, como a proposta agora será de concessão e não mais parceria público privada (PPP) e com tempo de concessão de 50 anos torna o projeto mais atrativo para as empresas. “Quando a gente aumenta o tempo de exploração a gene torna o índice de rentabilidade maior. Também a possibilidade dessa empresa estudar novas áreas para diminuir custos de terraplanagem foi extremamente importante”.

Ainda de acordo com o prefeito, todo o material que já existe na prefeitura sobre a construção do aeroporto internacional será disponibilizado para as empresas que farão o novo estudo.

Ouça a entrevista com o prefeito:

O projeto anterior

A administração passada gastou cerca de R$ 8 milhões, dos R$ 19 milhões previstos em edital, em um estudo técnico feito pela Fundação Getúlio Vargas para a implantação do aeroporto. O projeto foi aprovado pela Secretaria de Aviação Civil (SAC), em Brasília, e colocado em licitação para dar início à construção.

Como não apareceram empresas interessadas naquele momento, a licitação foi suspensa.

 Novos prazos

Não existem prazos definidos para que as empresas concluam o novo estudo para iniciar nova licitação.